Obama chama vazamento de óleo de 'agressão' e promete ajuda a moradores

Obama anunciou que o efetivo trabalhando na limpeza será triplicado em áreas críticas

28 Maio 2010 | 18h04

Barack Obama recolhe bolas de piche lançadas à praia pelo mar na Louisiana. Larry Downing/Reuters

 

Com a intenção de se mostrar no comando da crise ambiental no Golfo do México, o presidente dos EUA, Barack Obama, inspecionou uma praia atingida, ouviu o que chamou de "histórias de cortar o coração" sobre a catástrofe e declarou que "vamos insistir" até que o maior vazamento de petróleo da história dos EUA seja contido e os danos, reparados.

 

Veja também:

linkNova mancha de óleo ameaça ecologia marinha na costa da Flórida

linkEsforços para conter óleo viram reality show

linkObama suspende exploração de petróleo nos EUA

mais imagens Golfo do México: natureza ameaçada

 

Enquanto o presidente fazia seu giro, a British Petroleum (BP) continuava a bombear lodo pesado em seu poço submarino, mas o principal executivo da companhia advertiu que será necessário que se passem mais dois dias antes que se possa dizer se a operação foi bem-sucedida.

 

O almirante da Guarda Costeira Thad Allen disse nesta sexta-feira que o lodo havia conseguido empurrar para baixo o óleo e o gás que emergiam do poço, mas que ainda não havia detido o fluxo.

 

Obama chegou à Louisiana, onde passeou pela Paria Fouchon em mangas de camisa e chamou jornalistas até a beira d'água para apontar pequenos aglomerados de petróleo.

 

"Essas são as bolas de piche de que estão falando", disse ele. "Dá para mandar gente aqui para catá-las quando chegam à praia".

 

Mais tarde, ele foi à pequena cidade insular de Grand Isle.

 

"É uma agressão ao nosso litoral, ao nosso povo, à economia regional e a comunidades como esta", disse Obama, na cidade ao sul de New Orleans e que é ameaçada pelo vazamento de petróleo. "As pessoas estão vendo seu meio de vida se acabar na praia".

 

Com mais de 200 mil pessoas na região trabalhando para conter e limpar o petróleo, Obama anunciou que o efetivo será triplicado em locais onde o óleo já chegou às praias ou está prestes a fazê-lo.

 

"Esta é nossa maior prioridade e merece uma resposta à altura da tarefa", disse ele, num palanque improvisado diante de um trecho de mar azul e limpo, com aves marinhas e golfinhos.

 

Obama fez uma promessa aos moradores que lembra palavras de outros presidentes falando após desastres, como George W. Bush após a passagem do furacão Katrina.

 

"Estou aqui para lhes dizer que não estão sozinhos, não serão abandonados, não ficarão para trás", declarou o presidente atual. "A mídia pode se cansar desta história, mas não nós. Estaremos ao seu lado até que isso termine".

 

Ele também veio com conselhos e recomendações, afirmando que os moradores que estão procurando a Justiça para serem indenizados podem contar com o governo estadual e federal para ajudar a cortar a burocracia.

 

Ao público em geral, pediu voluntários para ajudar na limpeza, e que turistas gastem dinheiro na região.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.