Obama anuncia a interrupção de prospecção de petróleo no golfo

Ele declarou que está "furioso e frustrado" com o vazamento da BP no Golfo do México

New York Times

27 Maio 2010 | 20h20

O presidente Americano Barack Obama anunciou a interrupção de novas perfurações para a prospecção de petróleo no golfo e uma moratória de seis meses na exploração em águas profundas, autorizadas em março deste ano. Obama declarou que está “furioso e frustrado” com o vazamento da BP no Golfo do México – que agora entra em sua quinta semana.

 

Ele se recusou a comparar a atual emergência ao furacão Katrina, que devastou a mesma região cinco anos atrás. Muitos moradores da costa do Golfo continuam indignados com os “esforços” da administração Bush no caso do Katrina. Obama estava sentindo claramente o calor desta comparação ao convocar os repórteres para a coletiva de imprensa para tratar do vazamento da BP.

 

O presidente, porém, conseguiu, durante a coletiva, fazer algo Bush falhou em fazer no caso do Katrina: ele afirmou que os oficiais administrativos poderiam ter se informado melhor e mais cedo sobre o tamanho do vazamento, que pode ser bem maior do que a empresa originalmente relatou às autoridades – e que também poderiam ter agido mais rápido para resolver os problemas na agência regulatória que supervisiona a exploração “offshore”.

 

Estima-se que pelo menos 85 milhões de litros de óleo tenham vazado no golfo, número que pode chegar a 340 milhões de litros – no acidente do Exxon Valdez, no Alasca, em 1989, vazaram 40 milhões de litros.

 

 

A chefe do Serviço de Gerenciamento Mineral , Elizabeth Birnbaum, pediu afastamento na quinta passada - um movimento que o presidente evitou chamar de “demissão”.  Ele disse, no entento, que quer ao agência funcionando no mais “alto nível”, sem “encontrar desculpas quando as coisas dão errado, mas tentando consertá-las”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.