Divulgação
Divulgação

O n.º 1 do açúcar orgânico no mundo aboliu a queima da cana

Ideia surgiu da vontade de explorar potencial ecológico da cultura nos anos 80, segundo diretor da Native

Andrea Vialli, O Estado de S.Paulo

04 Junho 2009 | 15h00

Colher a cana-de-açúcar crua soava como uma insanidade em meados da década de 1980 no Brasil. Saiu de Sertãozinho, no coração da indústria canavieira paulista, a vontade de mudar alguns preceitos do ‘modus operandi’ da cultura da cana. Tudo começou como um projeto de reflorestamento de matas ciliares. Eliminar as queimadas nos canaviais foi a segunda providência.

 

Veja também:

linkUma nova safra de empreendedores sustentáveis

linkNa prateleira, o real valor da castanha da Amazônia

linkEmpresa abre espaço para ativo da mata atlântica

linkDo lixão ao Louvre, arte para inclusão

especialEspecial - O Papel de cada um

 

Depois, veio o controle biológico de pragas. Fornecedores de equipamentos tiveram de desenvolver máquinas para colher e processar a cana sem ela ser queimada. Vinte anos depois, as mudanças transformaram o Grupo Balbo, dono da marca Native, no maior produtor de açúcar orgânico do mundo. No ano passado, o grupo gerou 56 mil toneladas do produto, o que representa 20% do total de açúcar orgânico produzido no mundo.

 

"O que nos motivou a investir nesse projeto em 1986 foi o desejo de manifestar o potencial ecológico da cana-de-açúcar. A cana está entre as cinco culturas mais ecológicas que existem, dependendo do manejo que se dá à produção", afirma o diretor da Native, Leontino Balbo Júnior. Terceira geração da família Balbo - pioneira no agronegócio de cana na região -, ele abraçou a ideia de que era possível fazer mais pelo ambiente do que recompor as matas ciliares.

 

"Muita gente achava que essas ideias eram uma loucura e que quebrariam a empresa", conta Fernando Alonso, diretor comercial e braço direito de Balbo Jr. Na época, o mercado inexistia no País. Causou estranheza quando a Global Organics, grande distribuidora de orgânicos dos EUA, bateu na porta dos Balbo. "A empresa tinha se convertido em um produtor de orgânicos sem se dar conta disso."

 

O passo seguinte foi certificar a produção orgânica, que abriria as portas do mercado internacional. Hoje, 85% da produção é exportada.

 

Além de fornecer açúcar para indústrias de alimentos, a empresa desbrava o mercado com a marca Native, conhecida dos consumidores da Coreia do Sul, Espanha, Portugal e França. A entrada, neste ano, na rede de produtos naturais Whole Foods, dos EUA, deve consolidar a marca no mercado internacional.

 

As novas frentes de batalha são a produção de álcool orgânico, já em andamento, e de plástico biodegradável, do açúcar. "Sustentabilidade é consequência do trabalho. A grande missão é mudar a maneira das pessoas pensarem", diz Balbo Jr.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.