Mácio Ferreira/Agência Pará
Mácio Ferreira/Agência Pará

Novo relatório confirma nível alto de metais tóxicos no Rio Pará

Mercúrio, arsênio, alumínio e até urânio foram encontrados em concentração acima da permitida pela legislação brasileira

Fábio de Castro, O Estado de S.Paulo

28 Março 2018 | 22h27

SÃO PAULO - Mercúrio, arsênio, alumínio e até urânio foram encontrados em concentração acima da permitida pela legislação brasileira nos resíduos lançados sem tratamento pela empresa norueguesa Hydro Alunorte no Rio Pará, entre os dias 16 e 17 de fevereiro. Essa é a conclusão de um novo relatório feito por especialistas do Instituto Evandro Chagas (IEC), apresentado nesta quarta-feira, 28. 

+++ Ibama embarga parte de mineradora no Pará e multa empresa em R$ 20 milhões

O documento apresentou a avaliação da qualidade das águas superficiais nos canais regulares e clandestinos do Rio Pará - onde foram lançados efluentes sem tratamento. Segundo o químico Marcelo Lima, do IEC, em vários cursos d’água foram encontrados níveis elevados - superiores aos permitidos pela legislação - de cinco a seis elementos químicos tóxicos, dependendo do ponto avaliado.

+++ Mineradora norueguesa admite ter contaminado rio no Pará

“No Rio Murucupi, num trecho entre a comunidade Vila Nova e a nascente, encontramos não apenas chumbo, mas também arsênio, cromo e outros elementos tóxicos. Na nascente, verificamos também níveis muito elevados de alumínio e taxas altas de ferro e sódio dissolvido. Tudo isso coincide com o que está presente nos efluentes (resíduos) da empresa”, afirmou Lima. 

+++ Mineradoras terão que fazer exames em comunidades atingidas por despejo de rejeitos em Barcarena

Na zona de mistura da água de alguns canais com a do rio há altos níveis de alumínio. As proporções de chumbo estavam de duas a cinco vezes maiores do que o permitido. No Rio Pará, o volume de água é grande e, por isso, a capacidade de diluição é maior. Ainda assim, praias e tributários (espécie de afluentes) apresentaram nível de ferro muito alto logo após o lançamento dos resíduos. Lima descarta a possibilidade de que isso seja um fenômeno natural.

Segundo o médico Marcos Mota Miranda, também do IEC, as substâncias químicas são tóxicas, mas o próprio ecossistema tem recursos para diluir os resíduos e mitigar sua toxicidade. O impacto da contaminação, diz, não depende apenas da dose, mas do tempo de contaminação. Exposições contínuas podem levar a problemas graves - neurológicas e pulmonares, por exemplo.

Apenas no dia 19 deste mês, após negar diversas vezes, o grupo norueguês Norsk Hydro reconheceu que sua fábrica de alumínio Hydro Alunorte, no Brasil, derramou água sem tratamento no Rio Pará, o maior da região. A contaminação por bauxita atingiu comunidades, ribeirinhos e quilombolas que vivem no entorno das 20 bacias de rejeitos da empresa. 

Mineradora

Procurada, a Norsk Hydro informou que não teve acesso ao conteúdo integral do relatório e que vai analisar o material antes de se manifestar. Nesta terça-feira, 27, a empresa divulgou que busca acordo com as autoridades para normalizar a operação. A mineradora diz que está fazendo análises interna e independente para esclarecer o caso. A conclusão deve ser apresentada em 9 de abril.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.