Novo premiê do Japão promete reduzir emissão de gases em 25% até 2020

Nova meta é mais ambiciosa do que os 8% de corte anunciados pelo antigo governo.

Ewerthon Tobace, BBC

07 Setembro 2009 | 09h45

O novo primeiro-ministro japonês, Yukio Hatoyama, anunciou nesta segunda-feira que o seu governo pretende, até 2020, reduzir em 25% a emissão de gases que causam o efeito estufa, tomando como base os níveis de 1990.  

 

Derretimento no Ártico pode afetar 25% da população mundial

Mundo deve estar pronto para crise climática, diz Reino Unido

Mudança no clima custará US$ 400 bi anuais, diz estudo

Expansão econômica vs. sustentabilidade

Mapa da emissão de carbono

"Essa era uma de nossas metas anunciadas na campanha eleitoral, então vamos precisar contar com a vontade política e também utilizar todas as ferramentas legais para alcançar os resultados", afirmou Hatoyama durante um fórum sobre meio ambiente realizado em Tóquio.

Os 25% são muito mais ambiciosos do que os 8% anunciados como meta para o mesmo período pelo antigo governo, conhecido aliado do setor empresarial.

Num discurso duro, Hatoyama disse que o Japão vai adotar medidas rígidas para chegar ao objetivo e espera contar com o apoio de outros países.

"Vamos estabelecer uma estrutura funcional que vai envolver todos os principais países", disse o primeiro-ministro, que deverá assumir o cargo no dia 16 de setembro. "Para isso, precisaremos de apoio financeiro e tecnológico", emendou.

Elogios

A decisão foi elogiada até por organizações ambientalistas que historicamente sempre criticaram a posição japonesa. O Japão é a segunda economia do mundo e o quinto maior emissor de gases de efeito estufa.

"Assim que o novo gabinete for oficializado, vou estudar passos concretos para envolver toda a comunidade internacional", disse ele. "Vamos nos posicionar como líderes nessa luta", emendou.

O permiê eleito do Japão deve apresentar mais detalhes do ousado plano, que ele chamou de "iniciativa Hatoyama", num encontro em Nova York, nos Estados Unidos, ainda neste mês.

Mas o país vai apresentar oficialmente as metas na reunião das Nações Unidas sobre Mudança Climática em Copenhague, em dezembro. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.