Christian Charisius/Reuters - 15/12/2009
Christian Charisius/Reuters - 15/12/2009

Novo esboço de acordo climático não cita metas de emissão

Documento, que também não faz menção ao financiamento, diz que detalhes 'ainda precisam ser elaborados'

Agência Estado,

15 Dezembro 2009 | 11h04

Um novo esboço de um acordo internacional para deter o aquecimento global apresentado nesta terça-feira, 15, em Copenhague não contém nenhuma menção a metas de cortes de emissões de gás carbônico nem do financiamento de medidas de combate às mudanças climáticas.

 

Veja também:

linkPresidente da COP-15 vê 'muitos obstáculos' nas negociações

linkLula antecipa ida a COP-15 e viaja nesta terça

linkBan pede fim da troca de acusações no COP-15

blog Blog da COP: o dia a dia na cúpula

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialO mundo mais quente: mudanças geográficas devido ao aquecimento

especialEntenda as negociações do novo acordo   

especialRumo à economia de baixo carbono  

 

O novo esboço traz referências de um texto anterior, divulgado na última sexta-feira, com uma banda de metas de emissões, mas diz que os detalhes "ainda precisam ser elaborados". Fontes da União Europeia (UE) disseram que não é um texto final, mas cobre todos os temas debatidos neste fórum, como a redução das emissões dos gases do efeito estufa e o financiamento para combater a mudança climática nos países pobres, sem dar números.

 

O rascunho do acordo vem à tona em um momento no qual líderes mundiais preparam-se para chegar a Copenhague para uma reunião de cúpula que encerrará a 15ª conferência sobre mudanças climáticas promovida pela Organização das Nações Unidas (ONU).

 

Apesar dos esforços, as discussões têm avançado num passo mais lento do que o esperado em meio a desentendimentos com relação a quem deve poluir menos e a quem deve financiar os esforços.

O esboço que começou a circular hoje enfatiza que os países industrializados são historicamente responsáveis pela maior parte das emissões globais de gás carbônico, motivo pelo qual devem "assumir a dianteira no combate às mudanças climáticas", reduzindo a poluição e fornecendo dinheiro e tecnologia às nações mais pobres.

O rascunho vem à tona um dia depois de o Grupo dos 77, que inclui dezenas de países pobres e potências emergentes como Brasil, China e Índia, ter-se retirado das negociações, acusando as nações industrializadas de quererem afundar o Protocolo de Kyoto.

A situação levou à suspensão das negociações oficiais na segunda-feira, obrigando os organizadores a criarem cinco diferentes grupos de trabalho para fazer avançar as consultas sobre as questões mais espinhosas em debate.

Reunidos em Copenhague, representantes de quase 200 países negociam um novo acordo climático capaz de suceder o Protocolo de Kyoto, que expira em 2012.

 

(Com Dow Jones e Efe)

Mais conteúdo sobre:
Copenhague COP cupula clima ONU acordo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.