Nova mancha de óleo ameaça ecologia marinha na costa da Flórida

A mancha está se aproximando de um grande cânion cujas correntes impulsionam a cadeia alimentar

Associated Press

28 Maio 2010 | 14h53

Funcionários do governo americano fazem manutenção em barreira para contenção do óleo. AP

 

Uma mancha espessa de petróleo, com 35 km de extensão, descoberta perto do local do desastre da British Petroleum (BP) está se aproximando de um desfiladeiro submarino, onde poderá envenenar a cadeia alimentar da vida marinha da Flórida.

 

Veja também:

linkEsforços para conter óleo viram reality show

linkObama suspende exploração de petróleo nos EUA

mais imagens Golfo do México: natureza ameaçada

 

A descoberta, feita por pesquisadores a bordo do navio Weatherbird II, é a segunda grande mancha avistada desde a explosão da plataforma operada pela BP, a Deepwater Horizon, que matou 11 pessoas e causou o vazamento descontrolado de um poço de petróleo submarino.

 

A mancha está se aproximando de um grande cânion cujas correntes impulsionam a cadeia alimentar nas águas do Golfo junto à Flórida e poderá cobrir de substâncias tóxicas as plantas e animais minúsculos que servem de alimento para outras espécies.

 

Larry McKinney, diretor-executivo do Instituto Harte de Estudos do Golfo do México explica que o Cânion DeSoto envia água rica em nutrientes das profundezas para regiões mais rasas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.