Nova discussão sobre clima será marcada para fim de janeiro

Brasil, África do Sul, China e Índia devem se encontrar em Nova Délhi para definir ações contra aquecimento

Muneeza Naqvi, Associated Press

18 Janeiro 2010 | 16h40

Os ministros do Meio Ambiente do Brasil, da África do Sul, da Índia e da China devem se reunir na capital indiana para discutir como eles vão combater as mudanças climáticas antes de 31 de janeiro, prazo estabelecido pelo Acordo de Copenhague. 

 

As quatro nações, grupo denominado BASIC, mediou um acordo político com o presidente Barack Obama, no mês passado, nos últimos momentos da cúpula do clima. O encontro em Nova Délhi é importante porque as decisões tomadas pelas nações BASIC irão desempenhar um papel chave na formação de um acordo climático juridicamente vinculativo que, segundo as esperanças das Nações Unidas, será concluído até o final de 2010. 

 

Os ministros também devem se reunir com o primeiro-ministro indiano, Manmohan Singh, durante a reunião, que vai durar dois dias e que provavelmente ocorrerá nos dias 23 e 24 de janeiro, de acordo com Kalpana Palkhiwala, um porta-voz do Ministério do Meio Ambiente e das Florestas da Índia. Detalhes ainda não foram finalizados, disse ele nesta segunda-feira. 

 

Cientistas da ONU alertam para consequências terríveis para o planeta se não forem tomadas medidas para combater as alterações climáticas. Eles dizem que qualquer aumento de temperatura acima de 2º C poderia levar a uma elevação catastrófica do nível do mar, ameaçando ilhas e cidades costeiras, causando o extermínio de muitas espécies de animais e plantas e a alteração das economias agrícolas de muitos países. 

 

O chamado Acordo de Copenhague define o prazo de 31 de janeiro para que os países em desenvolvimento apresentem suas ações voluntárias e não legalmente vinculativas para a redução de emissões de carbono e para que as nações desenvolvidas apresentem metas de emissão para 2020. 

 

A Índia defende que futuras negociações sobre o Acordo de Copenhague devem ser baseada no Protocolo de Kyoto, que expira em 2012. Em Copenhague, muitos países desenvolvidos queriam ver o fim do Protocolo de Kyoto, que os Estados Unidos se recusaram a assinar. O documento exige que os países desenvolvidos cortem emissões, embora não fazendo exigências para as nações em desenvolvimento, como a Índia. 

 

Mesmo assim, China e Índia foram para as negociações climáticas Copenhague com propostas para reduzir os níveis de poluição. A China, o maior emissor mundial de gases de efeito estufa, prometeu cortar a sua intensidade de carbono - 'uma medida de emissões de dióxido de carbono por unidade de produção - em 40% ou 45% até 2020, em comparação com os níveis de 2005. A Índia, o quinto maior poluidor mundial, disse que iria cortar sua intensidade de carbono em 20 ou 25% até 2020. Mas nenhum dos dois países aceitou uma meta legalmente vinculativa de redução das emissões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.