Nordeste, RJ e SC devem receber 'ajuda climática', diz Minc

Recursos devem vir de fundo regulamentado em reunião sobre clima na Polônia.

Eric Brücher Camara, BBC

12 Dezembro 2008 | 22h00

O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, afirmou que o Nordeste, o Rio de Janeiro e Santa Catarina devem ser os primeiros beneficiados pelo pleno funcionamento do Fundo de Adaptação às mudanças climáticas anunciado nesta sexta-feira durante a reunião das Nações Unidas sobre o clima, em Poznan, na Polônia. O fundo é um instrumento criado pelo Protocolo de Kyoto, finalizado em 1997, para ajudar países pobres a combater as conseqüências do aquecimento global. "Esses recursos iriam, por exemplo, para o Nordeste, que vai sofrer muito com a mudança do clima, e para áreas como o Rio de Janeiro e Santa Catarina, que sofrem com enchentes", disse Minc à BBC Brasil, durante a conferência na Polônia. Horas antes do fim da reunião, negociadores anunciaram a operacionalização do fundo, que dentro de alguns meses já pode começar a liberar milhões de dólares para regiões afetadas pela mudança do clima. A decisão foi elogiada por grupos ambientalistas. Alguns chegaram a saudar a medida como o "único" avanço da reunião. "Essa pode ser a única coisa a sair de Poznan", afirmou Kit Vaughan, representante da organização ambientalista WWF na Grã-Bretanha. No entanto, havia também a expectativa sobre um aumento na arrecadação do fundo, que desde sua concepção é abastecido com recursos provenientes de uma taxa de 2% sobre os investimentos de países ricos em projetos de energia limpa em países em desenvolvimento. "Não houve acordo sobre mais financiamentos. O resultado foi previsível e obrigatório", criticou Sávio Carvalho, da ONG Oxfam de Uganda. Al Gore O Estado de Santa Catarina também foi lembrado também pelo ex-vice-presidente dos Estados Unidos Al Gore, vencedor do Nobel da Paz do ano passado por seus esforços para divulgar e combater as mudanças climáticas. "Dois dos três tufões mais fortes da história atingiram o sul da Ásia nos últimos três anos. A América do Norte também foi atingida por fortes tempestades; na do Sul, o Brasil registrou o primeiro furacão de sua história (o Catarina, em 2004)", disse Gore. O ex-vice-presidente americano também aproveitou o seu discurso - que, como no ano passado, em Bali, foi aplaudido de pé durante dois minutos - para elogiar o plano de combate ao desmatamento do governo brasileiro. "Os países em desenvolvimento também se tornaram líderes. Na semana passada, o Brasil propôs um impressionante novo plano para enfrentar o desmatamento" afirmou Gore, arrancando aplausos da platéia. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.