No Reino Unido, bairros brancos têm mais espaços verdes

Vizinhanças predominantemente brancas têm onze vezes mais espaços verdes que aquelas onde vivem negros e minorias

The Guardian

18 de agosto de 2010 | 20h32

Bairros predominantemente brancos têm onze vezes mais espaço verde como parques, jardins, campos e quadras do que aqueles em que 40% dos moradores são negros ou minorias étnicas, diz uma nova pesquisa da consultoria do governo do Reino Unido para arquitetura, desenho urbano e espaço público, a Cabe (Commission for Architecture and the Built Environment).

 

"Se você mora em um subúrbio 'rico' você também provavelmente terá uma quantidade maior de bons parques perto de você. Por outro lado, se você mora no centro da cidade, onde a densidade populacional é alta, você poderá ter muitas áreas verdes pequeninas ao seu redor, espaços de pouca qualidade - e é pouco provável que você tenha acesso a grandes espaços verdes", disseram os autores do estudo.

 

"É chocante que essas diferenças existam", diz Danny Dorling, professor de geografia humana na Sheffield University. "Nós não estamos aptos a gerenciar nosso espaço verde urbano da mesma forma que fazíamos nos tempos Vitorianos. Nós seguimos o modelo americano de urbanização e de privatização do espaço público. Todo o espaço verde das habitações públicas foi asfaltado. Ass autoridades locais poderiam melhorar esse cenário facilmente", completa.

 

A pesquisa revelou que o nível de atividade física e saúde das pessoas estava diretamente relacionado com a importância e a qualidade do espaço verde que ela tem a seu redor. "Quanto mais alta qualidade do espaço verde, mais chances de ser usado ele tem. Nos espaços mais depreciados apenas 40% dos adultos se sente compelido a fzer atividades físicas, contra 60% da população que vive ao redor dos melhores espaços verdes".

 

Metade das pessoas entrevistadas disseram que fariam mais exercícios se os parques fossem melhorados. "Se você melhora a qualidade dos espaços verdes e aumenta a quantidade deles no ambiente urbano, muito provavelmente vai melhorar a saúde pública, física e mental", sustenta o documento.

 

As diferenças entre os grupos étnicos ficaram mais claras quando as pessoas tiveram de responder a questões sobre o grau de satisfação delas com os ambientes verdes a seu redor. Mais de 70% das pessoas em bairros brancos e ricos disseram estar satisfeitas. Nos bairros onde mais de 40% da população é de negros e minorias étnicas, apenas 50% das pessoas estão satisfeitas.

 

A Cabe recomendou que deveria haver mais oportunidades para que as comunidades assumissem temporariamente espaços vazios na área urbana, e que as autoridades locais responsáveis por espaços verdes deveriam trabalhar com grupos voluntários para facilitar às pessoas a melhora dos espaços verdes ao seu redor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.