Ernesto Rodrigues/AE
Ernesto Rodrigues/AE

No altar, mas sem esquecer do meio ambiente

Fazer uma festa de casamento bonita e animada não significa aumentar sua pegada ecológica

Fernanda Fava, especial para O Estado de S. Paulo

30 Abril 2010 | 00h01

Na lista de itens para garantir uma festa de casamento animada não podem faltar boa música, comes e bebes de qualidade e decoração caprichada. Olhando pelo lado menos glamouroso, isso implica um alto consumo de energia, gasto de papel, desperdícios e emissões de carbono.

 

Se a ideia é reduzir o impacto no meio ambiente e aliviar a consciência na hora de trocar alianças, a boa notícia é que existem cada vez mais fornecedores para garantir uma celebração ecológica e sustentável. E o melhor é que isso não significa uma festinha sem graça.

 

Do convite ao descarte das flores, as noivas Sabrina Campos e Ana Paula Caribé pensaram em todos os detalhes para ter uma festa mais verde. Ana Paula, inclusive, transformou essa experiência em uma empresa de organização de festas, a Ecowedding. Veja algumas eco-dicas:

 

Convite

O ideal seria convidar as pessoas por e-mail. Sabrina, por exemplo, mandou 250 dos seus 350 convites pela internet. Se fizer questão, mande os de papel apenas para os convidados mais especiais. “O melhor é usar papel reciclado com fita de tecido orgânico”, sugere Ana Paula. 

 

Local

Casamentos ao ar livre podem ser mais sustentáveis, mais baratos e até mais românticos, já que aproveitam a luz natural e dispensam o ar condicionado. Sabrina conseguiu autorização para alugar o parque Trianon, na Avenida Paulista. Em ambientes fechados, velas podem substituir parte das lâmpadas.

 

Comida

No casamento de Ana Paula, até o tradicional bem-casado foi feito com doce-de-leite, farinha e açúcar orgânicos. Sabrina optou pelos orgânicos também nos coquetéis e no bolo. Lembre-se: frutas e legumes da estação deixam a comilança mais leve e sustentável.

 

Transporte

Incentive seus convidados a deixarem seus carros em casa e sugira um esquema de carona, para reduzir as emissões de dióxido de carbono. Sabrina dispensou a limusine e chegou ao parque Trianon de metrô e bicicleta. Já Ana Paula contratou um serviço de vans para levar e buscar metade de seus 300 convidados.

 

Aliança

Não é tarefa fácil encontrar no Brasil peças feitas de ouro certificado, ou seja, extraído de forma sustentável. Mas há outras maneiras de fazer sua aliança mais ecológica. Ana Paula, por exemplo, reciclou as joias antigas de sua família e criou anéis personalizados.

 

Vestido

Invista nos tecidos orgânicos. Também vale reutilizar peças do seu armário e até remodelar o vestido da mãe ou da avó. Ter um vestido reciclado não significa que você não estará bonita a caminho do altar. Preocupada com a reciclagem, a noiva Sabrina escolheu um longo feito de fios de PET.

 

Flores e decoração

A melhor alternativa são as flores orgânicas, cultivadas sem substâncias químicas. O problema é que elas podem custar 50% mais. Então, para economizar, Ana Paula sugere plantas da estação: “Depois da festa, doei as flores para hospitais e asilos.”

 

Pós-festa

Você pode até seguir todos os passos anteriores, mas, se não pensar no lixo, sua festa não será verdadeiramente sustentável. Envie os resíduos para uma cooperativa de reciclagem. Se quiser ir além, procure uma empresa para neutralizar as emissões de carbono da sua festa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.