No Alasca, erupção do vulcão Monte Redoubt é iminente

Moradores de Anchorage já fazem estoque de máscaras e protetores para os olhos depois de alerta

AP,

30 Janeiro 2009 | 18h58

Residentes da área de Anchorage, capital do Alasca, estão fazendo estoques de máscaras e protetores para os olhos depois que cientistas alertaram que uma erupção do vulcão Monte Redoubt é iminente.   Veja também:  Vídeo: Vulcões em risco de erupção no Alasca   Cientistas do Observatório Vulcânico do Alasca estão monitorando terremotos abaixo do vulcão de 3.110 metros, que fica a cerca de 161 quilômetros de Anchorage.   "Toda vez que isso acontece nós temos uma grande busca por máscaras e óculos" de proteção contra a chuva de poeira vulcânica que pode acontecer, disse Phil Robinson, gerente da loja de materiais industriais Alasca.   O cliente Ron Cowan comprou equipamentos na loja na quinta-feira, 29, logo antes de ir à mecânica buscar mais um filtro de ar.   "Estou sendo um pouco mais proativo do que fui da última vez", disse. Depois da erupção do Monte Spurr em 1992, ele disse, "as prateleiras ficaram vazias. Então não quis esperar até o último minuto."   O Observatório Vulcânico do Alasca - um programa conjunto entre a Pesquisa Geológica dos Estados Unidos, o Instituto de Geofísica da Universidade do Alasca e da Divisão Estadual de Pesquisas Geológicas e Geofísicas - tem uma variedade de ferramentas para prever erupções.   Quando o magma move-se abaixo de um vulcão antes de uma erupção, ele geralmente causa terremotos, faz inchar a superfície da montanha e aumenta o volume de gases emitidos. O observatório tira amostras dos gases, mede a atividade de terremotos com sismômetros e observa deformações na paisagem.   No dia 5 de novembro, os geólogos notaram mudanças nas emissões de gases e um pequeno derretimento perto do cume do Redoubt e então aumentaram o nível de ameaça de verde para amarelo. No domingo ele pulou para laranja, o estágio anterior à erupção, após um sensível aumento na atividade sísmica abaixo do vulcão.   Os vulcões do Alasca não são como os do Havaí. "A maior parte deles não derrama um rio de lava", disse John Power, do Observatório. Ao invés disso, eles tipicamente explodem e jogam cinzas de 9 mil a 15 mil metros de altura.   "É um tipo de rocha bastante abrasivo", disse. "Não são as cinzas que você encontra na sua lareira."   O material particulado tem bordas recortas e tem sido usado como um abrasivo industrial. "Eles usam as cinzas para polir todo tipo de metal", disse.   As cinzas podem machucar a pele, os olhos e as vias respiratórias. Os mais jovens e os idosos são os mais vulneráveis.

Mais conteúdo sobre:
vulcão Alasca

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.