Nível dos oceanos aumentará 1,5 m até 2100, dizem cientistas

O derretimento de geleiras, odesaparecimento de placas de gelo e o aquecimento das águaspoderiam fazer com que o nível dos oceanos subisse até 1,5metro até o final deste século, expulsando de suas casasdezenas de milhões de pessoas, afirmou uma nova pesquisadivulgada na terça-feira. Apresentado em uma conferência da União Européia deGeociências, a pesquisa prevê uma elevação do nível dos oceanostrês vezes maior do que o estipulado pelo PainelIntergovernamental sobre as Mudanças Climáticas (IPCC) no anopassado. O painel sobre o clima, uma entidade ligada à Organizaçãodas Nações Unidas (ONU), dividiu o Prêmio Nobel da Paz de 2007com o ex-vice-presidente dos EUA Al Gore. Svetlana Jevrejeva, do Laboratório Oceanográfico Proudman,na Grã-Bretanha, disse que a estimativa baseava-se em um novomodelo matemático que permitiu estabelecer com precisão o níveldos oceanos nos últimos 2.000 anos. "Durante os últimos 2.000 anos, o nível dos oceanosmanteve-se praticamente estável", afirmou a cientista ajornalistas, em meio ao encontro realizado em Viena. No entanto, o ritmo no qual o nível dos oceanos sobe hojeestá ganhando velocidade, e as águas ficarão de 0,8 a 1,5 metroacima de seu patamar atual quando chegar o próximo século,afirmaram pesquisadores, entre os quais Jevrejeva, em umcomunicado. O nível dos oceanos elevou-se 2 centímetros no século 18,6centímetros no século 19 e 19 centímetros no século passado,disse a cientista, acrescentando: "parece que o rápido aumentodo nível dos oceanos no século 20 deveu-se ao derretimento deplacas de gelo." Os pesquisadores debatem acaloradamente a respeito doquanto o nível dos mares vai elevar-se. O IPCC, por exemplo,diz que tal elevação deve ficar entre 18 e 59 centímetros. "Os números do IPCC subestimam a realidade", afirmou SimonHolgate, membro também do Laboratório Proudman. Segundo os pesquisadores, o IPCC não havia levado em contaa dinâmica do gelo -- a velocidade maior na movimentação dasplacas de gelo, velocidade essa alimentada pelo derretimento, éela também um fator no desaparecimento das placas e na elevaçãodo nível das águas. Esse efeito, segundo Steve Nerem, da Universidade doColorado (EUA), deve gerar um terço do futuro aumento do níveldos oceanos. "Há vários indícios de que vamos ver uma elevação de 1metro em 2100", afirmou o cientista, acrescentando que essefenômeno não ocorreria de maneira uniforme no planeta e quemais pesquisas seriam necessárias para determinar os efeitosdele em cada região. Os cientistas podem estar em desacordo a respeito damagnitude da elevação, mas estão afinados quando se trata deprever quais serão as áreas mais atingidas -- os países emdesenvolvimento na África e na Ásia, que não possuem osrecursos necessários para construir proteções contra as águas. Entre esses estão nações como Bangladesh, cujo territóriositua-se quase totalmente a uma altura de no máximo 1 metro doatual nível do mar. "Se o nível dos oceanos elevar-se 1 metro, 72 milhões dechineses vão perder suas casas, junto com 10 por cento dapopulação vietnamita", afirmou Jevrejeva.

KARIN STROHECKER, REUTERS

15 de abril de 2008 | 12h40

Tudo o que sabemos sobre:
CLIMANIVELMARES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.