Anja Niedringhaus/AP - 17/12/2009
Anja Niedringhaus/AP - 17/12/2009

Negociação de acordo é retomada na COP após anúncio dos EUA

Proposta americana para fundo climático destravou um dos principais impasses nas discussões em Copenhague

Ricardo Gozzi, da Agência Estado,

17 Dezembro 2009 | 10h23

A negociação de um novo acordo climático foi retomada nesta quinta-feira, 17, em Copenhague pouco depois de a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, ter proposto que os países industrializados levantem US$ 100 bilhões por ano até 2020 para um fundo destinado a ajudar os países pobres a combaterem os efeitos do aquecimento global.

 

Veja também:

linkApoio dos EUA a fundo de US$ 100 bi dá impulso à COP 15

linkPotências reagem com cautela a proposta dos EUA na COP-15

linkEUA propõem US$100 bi/ano de países ricos para fundo

linkDinamarca descarta lançar proposta de acordo nesta 5ª 

blog Blog da COP: o dia a dia na cúpula

especial COP-15, acompanhe os principais fatos

especial Glossário sobre o aquecimento global

especial Entenda as negociações do novo acordo  

especialRumo à economia de baixo carbono  

 

"Eu diria o seguinte: segurem firme e fiquem de olho na porta, pois o bonde está andando novamente", disse a jornalista o secretário-executivo da Convenção-Quadro da ONU sobre Mudanças Climáticas, Yvo de Boer.

 

De acordo com ele, os negociadores voltaram ao trabalho e dois grupos foram designados para elaborar dois textos diferentes, um deles baseado no Protocolo de Kyoto, sobre os compromissos dos países industrializados, e outro que inclua os Estados Unidos e as nações em desenvolvimento.

 

A proposta de Hillary vem à tona em um momento no qual negociadores de mais de 190 países promovem os últimos esforços em busca de um acordo durante a conferência climática promovida pela Organização das Nações Unidas (ONU) na capital dinamarquesa.

 

Horas depois de chegar a Copenhague, Hillary disse que o plano envolveria dinheiro público e provado. A quantia sugerida por Hillary está bem acima do inicialmente proposto pelos países ricos.

 

A chanceler americana ressalvou, no entanto, que os EUA participarão desse fundo somente se todas as grandes economias do mundo se ativerem a uma série de condições, entre elas a redução transparente e verificável das emissões de gás carbônico.

 

"Se não houver compromisso de transparência em alguma escala, não haverá acordo", declarou Hillary a jornalistas. "Cem bilhões de dólares é muito dinheiro. Isso pode proporcionar efeitos tangíveis", afirmou.

 

A 15ª conferência climática patrocinada pela Organização das Nações Unidas (ONU) termina amanhã. Representantes de 193 países estão em Copenhague para negociar um novo acordo climático global para fazer frente às mudanças climáticas.

 

A expectativa inicial era que um eventual pacto pudesse ser selado amanhã, quando cerca de 120 chefes de Estado e de governo estarão reunidos em Copenhague. No entanto, essa perspectiva vem sendo frustrada pela persistente falta de acordo entre os países industrializados e as nações em desenvolvimento com relação às metas de redução de emissões e ao financiamento de programas para que os países pobres possam enfrentar os efeitos do aquecimento global. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Copenhague COP cupula ONU clima negociaçoes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.