Lucas Jackson/Reuters - 07/12/2009
Lucas Jackson/Reuters - 07/12/2009

Negociação climática gera oportunidade econômica, diz Clinton

Ex-presidente norte-americano afirma que cúpula precisa definir medidas para o controle da mudança climática

Reuters,

08 Dezembro 2009 | 16h26

O ex-presidente dos EUA Bill Clinton disse na segunda-feira, 7, que a busca por um novo acordo climático global deve ser encarada como uma oportunidade econômica, e não como "uma dose de óleo de rícino que se tem de engolir".

 

Clinton, que como presidente apoiou a adoção do Protocolo de Kyoto, que prevê redução de emissões de gases do efeito estufa nos países desenvolvidos até 2012, afirmou à Reuters que a atual reunião da ONU em Copenhague precisa definir novas medidas para o controle da mudança climática, sob pena de que o atual impulso se perca.

 

O Protocolo de Kyoto, do qual os EUA saíram no começo do governo de George W. Bush, sucessor de Clinton, expira em 2012, e a reunião de Copenhague serve para ao menos começar a definir as linhas gerais de um tratado subsequente.

 

O evento de Copenhague, que reúne 190 países, começou na segunda-feira e vai até 18 de dezembro.

 

Veja também:

linkEscândalo do 'Climagate' britânico macula cúpula climática

linkAIE prevê que fracasso no COP-15 custará US$ 500 bi ao ano

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialO mundo mais quente: mudanças geográficas devido ao aquecimento

especialEntenda as negociações do novo acordo   

especialRumo à economia de baixo carbono 

 

"Estou preocupado com Copenhague, mas vamos ser obrigados pelas circunstâncias a fazermos o que precisamos fazer," disse Clinton, que depois de deixar o cargo, em 2001, criou a chamada Iniciativa Climática Clinton.

 

"Não podemos saber com precisão quando as piores coisas irão acontecer, e nesse ambiente em que não há segurança sobre o presidente é fácil chutar a lata estrada abaixo. É um perigo real," disse ele.

 

Clinton disse que, dos 44 países ricos obrigados pelo Protocolo de Kyoto a reduzir suas emissões, apenas quatro devem atingir suas metas até 201 - Grã-Bretanha, Suécia, Alemanha e Dinamarca.

 

Ele lembrou que, até serem atingidos pela crise econômica, esses países não estavam ficando para trás das demais nações desenvolvidas em termos de criação de empregos e empresas ou desigualdade de renda.

 

"Só espero que as pessoas em Copenhague não percam de vista o fato de que há oportunidades econômicas por aí", disse Clinton. "Isso está sendo vendido como uma dose de óleo de rícino que se tem de engolir, e não é verdade."

Mais conteúdo sobre:
Bill Clinton Copenhague ONU clima economia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.