Navio bate e vaza toneladas de óleo na costa sul-coreana

Petroleiro colide com embarcação; vazamento já é superior ao pior acidente ambiental ocorrido no país

Agências internacionais,

07 de dezembro de 2007 | 10h26

Um petroleiro de bandeira de Hong Kong colidiu com outra embarcação na costa oeste da Coréia do Sul nesta sexta-feira, 7. O acidente, que resultou em três grandes perfurações no navio, provocou o vazamento de cerca de 110 mil barris de petróleo bruto, informou o Ministério da Marinha e da Pesca. O acidente com o Hebbei Spirit, navio de 146 mil toneladas, é provavelmente o maior desse tipo na história sul-coreana, disse um funcionário do ministério, que não quis se identificar. Ele não sabe informar se o vazamento ainda persiste nem a extensão dos danos à população e ao meio-ambiente da região, mas informou que cerca de 15 mil toneladas - o equivalente a 17,4 milhões de litros - de petróleo foram despejados no mar. "Uma barca que estava sendo rebocada colidiu com o navio-tanque ancorado, rachando a seção de carga e causando o vazamento", disse Lee Jang-hoon, funcionário do ministério, a jornalistas. Ele acrescentou que o barco está ligeiramente tombado, e por isso "dificilmente haverá grandes vazamentos adicionais".   O volume de petróleo despejado é superior ao do pior acidente deste tipo ocorrido até hoje no país, de 1995, quando cerca de 5 mil toneladas caíram no mar. O custo total do acidente com Exxon Valdez- incluindo multas e indenizações - chegou a US$ 9,5 bilhões, sendo US$ 2,5 bilhões no trabalho de limpeza. O Hebei Spirit, um navio da classe VLCC ("transportador muito grande de petróleo bruto", na sigla em inglês) estava a cerca de oito quilômetros do porto, aguardando para descarregar 260 mil toneladas de petróleo do Oriente Médio. O porto fica cerca de 110 quilômetros a sudoeste de Seul. O vento e as ondas de até quatro metros prejudicam o controle da mancha de óleo, que pode chegar à costa em menos de 48 horas. A forte ondulação tornou inútil a tentativa de cercar o petróleo com bóias. Lee acrescentou que há preocupação com os funcionários envolvidos na tarefa, por respirarem substâncias tóxicas. As praias da região de Taean são muito frequentadas no verão, e ali existe também um parque nacional marítimo. A área é uma importante parada de pássaros migratórios. Lee disse que o petróleo não deve chegar ao porto de Incheon, mais ao norte, que é maior e serve à capital. Segundo o porta-voz, trabalhadores tentam transferir o petróleo para tanques do navio que não foram atingidos. A empresa Hyundai Oilbank disse que o petróleo se destinava à sua refinaria de Daesan, mas que seus estoques são suficientes para manter a operação. 

Tudo o que sabemos sobre:
NavioacidenteCoréia do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.