Valeriano Di Domenico/World Economic Forum
Valeriano Di Domenico/World Economic Forum

'Não dá para comemorar resultado da COP', diz climatologista Carlos Nobre

Para cientista, rascunho de documento final não indica avanços significativos e meta de redução nas emissões até 2030 não será atingida

Entrevista com

Carlos Nobre, do Instituto de Estudos Avançados da USP

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

11 de novembro de 2021 | 05h00

RIO - O climatologista Carlos Nobre, do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (USP), diz que o aumento da temperatura média da Terra deve chegar a 1,5ºC já em 2030 se compromissos climáticos mais ambiciosos não forem firmados na COP-26. Ao analisar o rascunho do documento final divulgado nesta quarta-feira, 10, Nobre diz que é praticamente impossível reduzir à metade a emissão de gases do efeito estufa até o fim desta década, conforme previsto no Acordo de Paris, empurrando a adoção de metas maiores mais uma vez para os próximos anos.

O climatologista vê aspectos positivos na reunião de Glasgow. Cita o acordo para a redução de metano e o compromisso pelo fim do desmatamento, assinados por mais de cem países. Mas concorda com a ativista Greta Thunberg, que reclama da linguagem vaga dos acordos, sinalizando intenções e ações voluntárias, e nunca compromissos de fato.

“Assumindo que esse é o documento final e não haverá nenhuma mudança revolucionária até sexta-feira, não dá pra abrir uma garrafa de vinho e comemorar”, disse. “Nós, da comunidade científica, que há décadas alertamos para o problema, continuamos muito preocupados.”

Que pontos positivos o senhor vê no rascunho divulgado na quarta-feira?

O Acordo de Paris, de 2015, diz que o aumento médio da temperatura deve ser de até 2ºC, idealmente 1,5ºC. Neste rascunho, no parágrafo 23, referente às mitigações, o documento reconhece que os impactos serão muito menores se o aumento for de 1,5ºC e que “devemos perseguir esforços” para limitar o aumento. Isso não estava assim de forma tão enfática no Acordo de Paris. Se for aprovado assim é muito positivo. Lembrando que a diferença entre 1,5ºC e 2,0ºC é o embranquecimento de mais de 90% dos recifes de coral. É muito grande. O documento também menciona a redução das emissões de CO2 em 45% até 2030 e das emissões de metano em 30% até 2030. Sem falar no acordo firmado por mais de cem países para o fim do desmatamento. Esses são aspectos positivos, em que há avanços em relação a 2015.

Qual é o real impacto da redução do metano?

O gás carbônico é o principal gás do efeito-estufa, o que emitimos mais e o que tem que ser mais rapidamente cortado. Mas para termos um impacto positivo na redução das mudanças climáticas, precisamos reduzir outros gases do efeito estufa também, como o metano e o óxido nitroso. Embora o planeta emita menos metano do que CO2, metano absorve muito mais radiação térmica do que o gás carbônico. Em um século, por exemplo, essa absorção é 28 vezes maior. Por isso, é muito importante cortar o metano também. As duas estratégias devem ser adotadas paralelamente. Reduzir as emissões de metano em 30% é positivo, caminha na direção correta, mas essa meta precisaria ser maior. Essas emissões devem ser zeradas o mais rapidamente possível.

Qual o peso de cada gás do efeito estufa na conta do aquecimento global?

Contando de 1850 (quando as medições começaram a ser feitas) em diante, se emitissemos só CO2 teríamos, atualmente, um aumento médio da temperatura de 1ºC. O metano agrega 0,3ºC a essa conta. O óxido nitroso e os demais gases, 0,2ºC. Ou seja, pelas emissões, já teríamos chegado a um aumento de 1,5ºC. Sabemos, no entanto, que o aumento médio da temperatura até hoje foi de 1,1º C a 1,2ºC. Isso ocorreu porque partículas poluentes, resultantes da queima de carvão e de petróleo, refletem a radiação solar, baixando a temperatura em 0,35 a 0,4ºC. Quando reduzirmos significativamente a emissão decorrente da queima de combustível fóssil, vamos reduzir também a poluição e, consequentemente, a quantidade dessas partículas que refletem a radiação. Precisamos, então, compensar esse fator. Por isso é importante reduzir também os outros gases.

Mas, apesar dos avanços mencionados, as metas apresentadas pelos países ainda estão muito longe do ideal. Pelos números atuais, o aumento médio da temperatura ficará entre 2,4 e 2,7ºC, o que pode ter consequências desastrosas para o planeta. Não se esperava mais dessa COP?

Sim, esperávamos um compromisso maior nesta COP, mas eles foram mais uma vez adiados, para 2022 e 2023, segundo o rascunho do documento. Com as metas que estão na mesa, chegaremos a 2030 com um aumento de 13% a 16% das emissões (e não com uma redução de 50%, conforme previsto) e com uma elevação da temperatura média de 1,5ºC. A criação do fundo de US$ 100 bilhões para os países em desenvolvimento, previsto em 2010 e que deveria ocorrer este ano, também foi adiada e deve ficar para 2023. E já sabemos que esse valor é insuficiente. O que (a ativista ambiental) Greta Thunberg e outros jovens que estão nas ruas de Glasgow estão dizendo é correto. De fato, a terminologia desses documentos finais sinalizam intenções, propõe ações voluntárias, mas é muito vaga.

O senhor continua preocupado, então?

Assumindo que esse é o documento final e não haverá nenhuma mudança revolucionária até sexta-feira, não dá pra abrir uma garrafa de vinho e comemorar. Nós, da comunidade científica, que há décadas estamos alertando para o problema, continuamos muito preocupados. Pelo ritmo dos acordos e a velocidade das emissões globais não há nenhum sinal de que vamos conseguir reduzir as emissões em 50% até 2030. Pelo contrário, nos parece virtualmente impossível. Essa COP não nos deixa uma confiança de que essa meta será atingida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.