Na Europa, site incentiva multidões a ficar 'de olho na Terra'

Plataforma Eye on Earth cruza dados oficiais e avaliação de internautas sobre água e ar

Com informações da BBC

08 Fevereiro 2010 | 20h02

Cidadãos ambientalmente conscientes da União Europeia estão sendo encorajados a contribuir com as suas próprias observações sobre meio ambiente em um site. A plataforma Eye on Earth ('De olho na Terra', em tradução livre) é uma joint venture entre a Agência Europeia do Ambiente (AEA) e a Microsoft. 

 

O site mostra a qualidade da água e do ar em 32 países membros da AEA, trazendo os resultados em um mapa interativo. Avaliações geradas pelos internautas são apresentadas juntamente com os dados oficiais recolhidos pela AEA.

 

Os responsáveis pela ideia dizem que a novidade pode encorajar os políticos a "fazer a coisa certa". O site apresenta um mapa interativo de alta definição no qual os usuários podem navegar para encontrar a qualidade do ar e da água em áreas específicas em toda a União Europeia.

 

A partir disso, eles podem adicionar a sua avaliação própria da área - julgando a qualidade do ar, por exemplo, com várias descrições pré-definidas como "limpo", "sem cheiro" ou "irritante". As ambições futuras da AEA incluem ir além do monitoramente da água e do ar.

 

"O que o site oferece é uma plataforma que permitirá aos cidadãos realmente nos dizer o que eles farão para ajudar a reduzir as emissões de gases de efeito estufa mudando algo em sua própria vida", diz a professora Jacqueline McGlade, diretora executiva da AEA. "Pela primeira vez, os cidadãos vão realmente se encontrar nesta enorme discussão global."

 

O projeto faz uso de um software de mapeamento da Microsoft e de um sistema operacional baseado em cloud-computing da Windows Azure. "Desde o início, estávamos procurando uma plataforma onde pudéssemos conectar milhões de pessoas", explica McGlade.

 

"É evidente que uma agência pequena, como a Agência do Ambiente em Copenhague, não tem esses tipos de recursos." McGlade disse que uma parte fundamental do negócio com a Microsoft é garantir que os sistemas utilizados sejam "abertos e disponíveis" para ser usados por outros em sua própria plataforma.

No entanto, Phil Thornhill, coordenador nacional para a Campanha contra as Mudanças Climáticas, é cético de tais regimes. "O que vem da Microsoft sempre tem muita campanha", diz. "Mas há um perigo potencial de que a campanha publicitária seja fora de proporção com o que o projeto vai realmente fazer para ajudar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.