AP
AP

Mundo não terá acordo contra aquecimento em 2010, afirma ONU

Yvo de Boer não acredita em tratado no México; em Bonn, países concordaram em fazer duas reuniões extras

estadao.com.br

12 Abril 2010 | 10h13

O mundo não terá um acordo neste ano contra o aquecimento global, afirmou neste domingo, 11, o secretário executivo da Convenção do Clima das Nações Unidas, Yvo de Boer. O dirigente destacou que o foco das negociações globais deveria ser a definição de medidas práticas para ajudar países mais pobres a salvarem as florestas. “Cancún não trará um resultado. Pode chegar a uma arquitetura operacional, mas um tratado levará mais tempo”, afirmou, no encerramento do encontro realizado em Bonn (Alemanha), que serviu de preparação para a próxima reunião ministerial que ocorrerá em Cancún, México, entre novembro e dezembro.

 

Veja também:

linkONU racha sobre como negociar o tratado do clima em 2010

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialRumo à economia do baixo carbono 

 

Em Bonn, os países concordaram em realizar dois encontros extras este ano para tentar reativar as conversas para um acordo contra o aquecimento global, que custarão à ONU mais US$ 15 milhões. As datas e locais ainda não foram confirmados, mas haverá outra rodada de negociações entre ministros de 2 a 4 de maio, novamente em Bonn.

 

"Esta é a hora de os países se concentrarem em ações de proteção das florestas, energia limpa, adaptação e financiamento", disse Wendel Trio, coordenador de Políticas Climáticas do Greenpeace internacional. Será essencial que os progressos conquistados pelas nações fora das reuniões do clima sejam compartilhados nas discussões oficiais para garantir a participação de todos os países, entre eles os que serão mais afetados pelas mudanças climáticas, como pequenas ilhas e as nações africanas.

 

"O sentimento de urgência e ambição de que o mundo precisa desesperadamente ficou faltando nesta reunião", disse Trio. "Os países progressistas precisam formar alianças mais fortes para pressionar os grandes poluidores a chegar a um acordo justo, ambicioso e legalmente vinculante o mais cedo possível."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.