Guillermo Granja / REUTERS
Guillermo Granja / REUTERS

Mudanças climáticas ameaçam Ilha da Páscoa e Galápagos, diz ONU

Relatório mostra que destinos turísticos que recebem milhares de turistas por ano podem ser prejudicados, principalmente nos países em desenvolvimento, que dependem de recursos de países ricos

Reuters, REUTERS

26 Maio 2016 | 15h59

LONDRES - As condições climáticas extremas estão se transformando em um risco para lugares com enorme valor para o patrimônio histórico mundial, como a Ilha de Páscoa, as Ilhas Galápagos e Stonehenge, na Inglaterra, o que representa uma ameaça ao turismo e à economia, afirmaram nesta quinta-feira, 26, especialistas das Nações Unidas.

Países em desenvolvimento como o Nepal, onde fica o monte Everest, e Uganda, para onde viajam milhares de turistas a cada ano para ver gorilas, serão particularmente prejudicados porque dependem mais dos recursos oriundos do turismo que os países ricos, avaliaram os especialistas em um relatório da ONU.

"Para esses países são receitas muito importantes. É um fator de impulso econômico ter um em seu território um dos patrimônios da humanidade", afirmou Adam Markham, principal autor do relatório e subdiretor da União de Cientistas Preocupados, à Fundação Thomson Reuters.

"Se os atributos que atraem os turistas a esses lugares forem prejudicados pelas mudanças climáticas, isso poderia gerar um enorme revés ara às economias que vivem do turismo", defendeu Markham em uma entrevista por telefone.

O turismo é um dos setores de crescimento mais rápido no mundo, ao gerar 9% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial e prover um de cada 11 empregos, de acordo com a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco), o Programa de Meio-ambiente da ONU Pnuma)e a UCP.

Ainda que a gestão inadequada possa em si mesma provocar graves prejuízos aos locais de patrimônio da humanidade, as mudanças climáticas multiplicam os riscos para esses destinos porque seus principais atributos podem se deteriorar, indica o relatório.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.