Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Mudança climática representa risco à saúde pública, alerta OMS

Milhões de pessoas correm orisco de enfrentarem doenças como a malária e a diarréia em ummundo mais quente e assolado por ondas de calor e falta d'água,disse na quinta-feira a Organização Mundial da Saúde (OMS). Especialistas em questões climáticas afirmam que astemperaturas e as ondas de calor farão aumentar o número demortes relacionadas com o calor, ao passo que uma maiorconcentração de ozônio decorrente da poluição se traduzirá emum número maior de pessoas sofrendo de doençascardiorrespiratórias. Um mundo mais quente significaria ainda a disseminação dedoenças patogênicas transmitidas por insetos como a malária e adengue. "Alguns dos males que mais provocam mortes possuem umaíntima relação com o clima", disse, na conferência do climarealizada em Bali, Maria Neira, diretora da área de saúdepública e meio ambiente junto à OMS. "Estamos preocupados com a subnutrição relacionada com aescassez de produtos agrícolas, estamos preocupados com adiarréia decorrente da falta d'água e de redes de esgoto, eestamos preocupados com um aumento dos casos de dengue emalária e com o surgimento dessas doenças em áreas onde antesestavam ausentes", afirmou. Neira afirmou durante a conferência que um aumento natemperatura média de 1 grau Celsius significaria um aumento de8 por cento no número de casos de diarréia. As mudanças climáticas também devem fazer crescer entre 50e 60 por cento a parcela da população mundial exposta à dengue. O encontro realizado em Bali, de 3 a 14 de dezembro, sob ocomando da Organização das Nações Unidas (ONU), pretende darinício a um processo de dois anos de negociação ao final dosquais o mundo assinaria um novo pacto de combate às mudançasclimáticas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.