Christian Charisius/REUTERS
Christian Charisius/REUTERS

Mudança climática poderá custar 137% do PIB da AL em 2100

Estudo mostra que, sem ações de mitigação, a região poderia sofrer perdas na agricultura e biodiversidade

Efe,

17 Dezembro 2009 | 14h16

Sem um acordo internacional para mitigar os efeitos da mudança climática, o custo do problema poderia significar para a América Latina e o Caribe até 137% de seu PIB atual no ano 2100, segundo a Comissão Econômica Para a América Latina e o Caribe (Cepal).

 

Veja também:

linkLula pede 'ambição' no corte de emissões em discurso na COP

linkNegociação de acordo é retomada após anúncio dos EUA 

linkEUA propõem US$100 bi/ano de países ricos para fundo 'verde'

blog Blog da COP: o dia a dia na cúpula

especial COP-15, acompanhe os principais fatos

especial Glossário sobre o aquecimento global

especial Entenda as negociações do novo acordo  

especialRumo à economia de baixo carbono  

 

Os prognósticos estão no relatório "A economia da mudança climática na América Latina e no Caribe", da Cepal, elaborado para ser apresentado em um evento paralelo à cúpula sobre a Mudança Climática realizado em Copenhague.

 

Pelo documento, sem ações de mitigação a região poderia sofrer no final do século perdas importantes na agricultura e na biodiversidade, fortes pressões sobre a infraestrutura e um aumento na intensidade de fenômenos naturais extremos.

 

Embora seja a segunda região no mundo que menos gases do efeito estufa emite (a primeira é África), América Latina e o Caribe está sofrendo os efeitos do aquecimento global mais que nenhuma outra, com indica o relatório.

 

Para os autores, os custos econômicos da mudança climática são muito heterogêneos entre países e regiões e terão um comportamento pouco previsível ao longo do século. Com um aumento da temperatura planetária superior a três graus, alguns países ou regiões poderiam perder de 30% a 40% de sua biodiversidade.

 

A pesquisa indica que mangues no litoral do Brasil, Colômbia, Equador, a Guiana Francesa e a Guiana poderiam desaparecer, e as regiões ribeirinhas do rio da prata, na Argentina e no Uruguai estariam seriamente ameaçadas. Um aumento da temperatura global de 3 graus provocaria também uma queda nas precipitações na Amazônia, acabando com a selva.

 

Neste contexto, a Cepal destaca que é fundamental desenhar uma estratégia de política pública regional que permita reduzir os impactos mais graves da mudança climática. As projeções se baseiam nos cálculos de 15 países: Argentina, Belize, Bolívia, Chile, Costa Rica, Equador, El Salvador, Guatemala, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, República Dominicana e Uruguai.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.