Mudança climática ameaça afetar produção agrícola

Pesquisa estima que períodos de cultivo para alimentos básicos serão mais quentes em nove de cada dez anos

Reuters,

18 de junho de 2009 | 16h06

A rápida elevação nas temperaturas mundiais poderá levar vantagem sobre os esforços dos agricultores em manter a produção, dizem especialistas que pedem verbas para desenvolver novas culturas e congelar as linhagens resistentes ao calor desenvolvidas ao longo dos séculos passados.

 

Veja também:

link Ásia poderá emitir 40% do CO2 do planeta até 2030

especial Entenda as negociações do novo acordo sobre mudança climática

especialEspecial: Quiz: você tem uma vida sustentável? 

especialEspecial: Evolução das emissões de carbono  

especialEspecial: As ações diárias que salvam o planeta 

especial Expansão econômica vs. sustentabilidade

 

Um estudo da Stanford University a ser publicado na sexta-feira, 19, estima que os períodos de cultivo africanos para os alimentos básicos do continente - milho, painço e sorgo - serão mais quentes em nove de cada dez anos até 2050.

 

Os produtores podem fazer adaptações mudando os tempos de cultivo ou usando variedades novas, mas o ritmo da mudança exigirá uma ajuda extra, conclui o estudo na revista Global Environmental Change.

 

"Para a maioria dos produtores da África, o aquecimento rapidamente tomará conta do clima, não apenas para além da variação da experiência pessoal deles, mas também para além da experiência de outros produtores de seus países", afirmou o estudo, cujos autores são de Stanford e do Global Trust Diversity Trust.

 

Estados Unidos, Reino Unido e União Europeia revisaram recentemente os impactos da mudança climática.

 

A Casa Branca publicou nesta semana um relatório prevendo que ondas de calor, enchentes, secas e pestes danificarão as plantações e concluiu, por exemplo, que a produção de amoras poderá se tornar impraticável na área central da Costa Leste até 2050.

 

O Reino Unido disse na quinta-feira que serão "inevitáveis" verões 2 graus Celsius mais quentes no sul da Inglaterra até a década de 2040 e citou uma pesquisa com produtores indicando que metade deles já sofre os efeitos.

 

A comissão executiva da União Europeia indicou em abril uma pesquisa mostrando efeitos positivos para os próximos 30 anos - por exemplo, invernos mais amenos - mas efeitos negativos cada vez maiores com o passar do tempo. "A magnitude das mudanças climáticas pode exceder a capacidade de adaptação de muitos produtores", disse ela.

 

O desenvolvimento de safras mais resistentes, por exemplo, envolve uma década ou mais de culturas ou de desenvolvimento de variedades novas, até que elas cheguem às mãos dos agricultores.

Tudo o que sabemos sobre:
aquecimento globalagricultura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.