Movimento incita ativistas a ocupar a COP 17

Governo sul africano colocou mais de 2 mil policiais e agentes de segurança na cidade de Durban

Efe

27 Novembro 2011 | 21h44

Um movimento de protesto contra a Conferência do Clima da ONU em Durban, "Ocupe a COP 17", instou à tomada do centro de conferências onde o evento será realizado a partir desta segunda (28), com a presença delegações de 195 países.

Os "indignados", que lançaram as suas mensagens através do blog "occupycop17" e contas no Twitter, preparam uma assembleia a partir das 9h (GMT) no cruzamento da duas das principais ruas de Durban, a poucos metros do centro conferência onde as negociações ocorrem, e pretendem se instalar ali até o final da cúpula, em 9 de dezembro.

"Governos de todo o mundo reúnem-se pela décima sétima vez em reunião para discutir como reagir à mudança climática em nível internacional. Durante este tempo, não conseguiram encontrar uma resposta saudável a esta situação insustentável ", pregam os manifestantes na web. O governo sul africano colocou mais de 2 mil policiais e agentes de segurança na cidade de Durban para garantir a conferência, na qual as autoridades não prevêem incidentes apesar da presença de cerca de 50 mil militantes.

"Não esperamos tumultos. Mantivemos contatos com organizações para coordenar os protestos ", disse Eugene Msomi, porta-voz da Polícia da Cidade de Durban.

A COP17  enfrenta um dos momentos mais difíceis na luta contra a mudança climática, em uma paisagem marcada pela crise econômica, a necessidade de frear o aumento da temperatura do planeta e o fim do Protocolo de Kyoto, o único acordo vinculativo para reduzir emissões de gases de efeito estufa, que expira em 2012. Canadá, Rússia e Japão anunciaram que não assinarão um segundo período deste protocolo, já que os EUA e a China não assumiram compromissos semelhantes.

A União Europeia (UE), por sua vez, propôs a implementação de um roteiro para chegar a um acordo juridicamente vinculativo incluindo as principais economias e que cubra 100% das emissões.

Países em desenvolvimento o bloco africano participam da cúpula Durban com a exigência de renovação do Protocolo de Kyoto, e argumentam que os países desenvolvidos são aqueles que devem fazer maior esforço, além de financiar a transição para uma economia mais de acodro com o meio ambiente.

Mais conteúdo sobre:
COP 17 occupycop17

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.