Movimento estimula consumo consciente de água com a construção de cisternas

Enquanto os olhos de muitos brasileiros estavam voltados para a Copa do Mundo, há um ano jornalista Claudia Visoni e um grupo de permacultores pensavam em uma estratégia para amenizar a crise da água que logo se agravaria no Estado de São Paulo. Com as ideias em campo, abriram o placar com uma solução imediata: a criação do Movimento Cisternas Já. O projeto tem como objetivo promover a capacitação para o reaproveitamento de água não potável, com a construção de minicisternas. Os integrantes do movimento esperam que, em algum tempo, toda casa possa ter uma dessas estruturas. “Sem TV a cabo, sem cabeleireiro e sem iPhone nós vivemos. E sem água?”, questiona Claudia. “É a hora de reduzir o consumo e deixar a Cantareira se recuperar.”  O modelo de cisterna escolhido foi desenvolvido pelo técnico agropecuário e empreendedor social Edison Urbano, que pensou em requisitos como eficiência e atenção às normas técnicas. O custo de produção é relativamente baixo, entre R$ 150 e R$ 300, por utilizar como estrutura principal tambores geralmente usados para armazenar alimentos.  “Só existe um pré-requisito importante para a construção: ter uma calha para coletar a água da chuva”, explica Edison, que deixa em seu site, o Sempre Sustentável, um manual para montar a minicisterna. “Qualquer pessoa pode ter uma.” O músico Vinicius Pereira, de 34 anos, foi um dos que se inspiraram na ideia. Ele resolveu fazer um treinamento com Urbano e montar a sua cisterna, logo após verificar o preço cobrado por empresas especializadas no serviço. Depois do trabalho doméstico pronto, Pereira foi além dos muros de sua residência. Com o conhecimento que adquiriu, transformou a montagem dessas estruturas em fonte adicional de renda e já instalou outras 20 cisternas. Também passou a ensinar outras pessoas a construírem a estrutura. Para isso, criou a Escola de Cisternas, influenciada pelo Cisternas Já. * Ana Paula Bimbati é aluna da Fapcom e finalista do 3º Prêmio Tetra Pak de Jornalismo Ambiental

Ana Paula Bimbati- Especial para o Estado , O Estado de S. Paulo

03 Setembro 2015 | 03h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.