Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Mourão defende novo modelo de desenvolvimento para a Amazônia baseado em pesquisa e inovação

Vice-presidente e coordenador do Conselho Nacional da Amazônia Legal tem sido cobrado por uma posição mais firme do governo federal no combate às queimadas e ao desmatamento

Pedro Caramuru, Cícero Cotrim e Thais Barcellos, O Estado de S.Paulo

31 de agosto de 2020 | 10h03

O vice-presidente e coordenador do Conselho Nacional da Amazônia Legal, Hamilton Mourão, defendeu um novo modelo de desenvolvimento para a região amazônica que seja baseado em pesquisa e inovação. Mourão tem sido cobrado por uma posição mais firme do governo federal no combate às queimadas e ao desmatamento.

Na última semana, o Ministério do Meio Ambiente anunciou que iria suspender ações de combate ao desmatamento e queimadas florestais a partir desta segunda-feira, 31, por falta de verbas.

No entanto, na última sexta, 28, o governou recuou da decisão. Menos de três horas após o anúncio, o ministro Ricardo Salles informou que os recursos do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e do Instituto Chico Mendes (ICMbio), que cuida de unidades de conservação, não seriam mais bloqueados este ano.

Em evento promovido pela TV BandNews, Mourão disse que o Brasil está comprometido com a sustentabilidade e a superação do modelo extrativista predatório na Amazônia. "Somos um País sustentável, temos todas as características disso, não somos predadores", afirmou.

Segundo Mourão a região enfrenta uma série de problemas, entre eles: os ilícitos ambientais, o baixo desenvolvimento socioeconômico, a regularização fundiária, a infraestrutura deficiente, entre outros. "Falta água no mundo, 20% da água doce do mundo está na Amazônia", disse. "Nós vamos vender água. Temos de nos preparar para isso. Os empresários têm de começar a olhar isso".

Relações internacionais

Mourão disse ser necessário também resgatar a vocação econômico-comercial do Mercosul. "Nesse contexto de acirramento das tensões de disputa entre grandes potências qual a visão do Brasil? O pragmatismo e a flexibilidade", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.