EFE
EFE

Mosquitos ameaçam tartarugas e lagartos de Galápagos

Inseto desenvolve gosto pelo sangue dos répteis e vira ameaça de doença para espécies das ilhas

EFE,

01 Junho 2009 | 18h12

As tartarugas gigantes e outras espécies endêmicas das Ilhas Galápagos enfrentam o perigo de novas doenças, por conta da preferência dos mosquitos locais pelo sangue de répteis, em relação ao de mamíferos.

 

A conclusão é de um estudo de cientistas da Universidade de Leeds, no Reino Unido, da Sociedade Zoológica de Londres e do Parque  Nacional de Galápagos. O trabalho está publicado na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS).

 

Os cientistas determinaram que, embora seus primos do continente continuem a preferir o sangue quente dos mamíferos, a variedade do mosquito Aedes taeniorhynchus presente no arquipélago evoluiu para alimentar-se de sangue de tartarugas marinhas e iguanas.

 

Bastaria um mosquito portador de doenças desconhecidas nas ilhas, como malária viária, chegar a Galápagos para que os mosquitos fossem contaminados e espalhassem o mal por todo o arquipélago, advertem os pesquisadores.

 

Por conta de seu isolamento, é improvável que a fauna das ilhas tenha imunidade a essas doenças, diz o estudo.

Mais conteúdo sobre:
galápagos evolução malária tartarugas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.