Divulgação/Projeto Baleia Franca
Divulgação/Projeto Baleia Franca

Morre baleia encalhada em SC

Segunda tentativa de eutanásia deu certo e animal faleceu de madrugada

Karina Ninni, estadao.com.br

14 de setembro de 2010 | 15h38

A baleia Franca encalhada em uma praia na cidade de Laguna (SC) morreu esta madrugada depois que especialistas aplicaram novas doses de remédios para sacrificar o animal. Os medicamentos, esperados para esta terça-feira, acabaram chegando de madrugada e possibilitaram o sacrifício antes do tempo.

 

A fêmea encalhou na praia na terça-feira (7) e resistiu à primeira tentativa de eutanásia, realizada no sábado, dia 10, quando veterinários aplicaram sedativos e anestésicos doados pela Universidade para o Desenvolvimento do Estado de Santa Catarina (UDESC).

Durante os três primeiros dias do encalhe, cientistas e voluntários quiseram resgatá-la e devolvê-la ao mar. Não obtiveram sucesso. Os especialistas do Projeto Baleia Franca desconfiaram então que o animal tivesse "se deixado encalhar", pois mesmo com a ocorrência de uma maré alta - que teoricamente permitiria que ele voltasse para o oceano - a baleia permaneceu no local. Imaginou-se que ela estivesse "esperando para morrer."

 

"A literatura científica não tem registro de eutanásia de Francas. Por isso, os cálculos das quantidades necessárias de medicamentos para por termo à vida do animal foram feitos com base em casos de eutanásia de outras espécies, levando-se em conta o peso da Franca encalhada na praia", explica a porta-voz do Projeto Baleia Franca, Michele Cardoso, sobre a primeira tentativa de abate.

Os novos remédios e equipamentos e para enterrar a carcaça depois da morte do animal foram comprados com doações do empresariado local, que, de acordo com Michele, sensibilizou-se imediatamento com a situação. Os R$ 25 mil levantados por movimentos ligadoa à causa devem cobrir, inclusive, as despesas com o enterro da carcaça do animal.

Diversas variáveis explicam a capacidade de resistência da baleia, que continuou viva após permanecer encalhada por uma semana. Em primeiro lugar, as baleias, como mamíferos que são, respiram fora d'água (tanto que têm de vir à superfície para puxar ar). Portanto, estar fora d'água, sob esse ponto de vista, não é problema. Em segundo lugar, o litoral de Santa Catarina é um local de reprodução das Francas. "Quando elas vêm para cá, estão preparadas para ficar três meses em processo de reprodução sem precisar se alimentar.

Elas vêm com uma reserva de gordura que possibilita nutrição e hidratação por muitas semanas", explica a porta-voz Michele. Por último, a temperatura está ajudando o cetáceo a sobreviver, pois as médias no local não passam dos 15° C desde o dia do encalhe. Como um dos principais motivos de óbito de animais encalhados em praias é a hipertermia (aumento da temperatura do corpo), o frio de Laguna acabou possibilitando o prolongamento da vida da baleia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.