Suolang Luobu/Xinhua/AP
Suolang Luobu/Xinhua/AP

Montanhistas fazem mutirão para limpar o topo do Monte Everest

Grupo espera retirar 2 toneladas de lixo e um cadáver de uma altitude superior a 8 km

Reuters

19 Abril 2010 | 15h06

Vinte montanhistas nepaleses estão partindo para o Monte Everest nesta semana, para tentar remover o lixo da montanha, na campanha de limpeza em maior altitude já realizada.

 

Nepal e China definem que Everest tem duas alturas oficiais

 

Vários montanistas, estrangeiros e nepaleses, já limparam o Everest no passado, mas Namgyal Sherpa, líder da Extreme Everest Expedition 2010, afirma que ninguém nunca tentou uma limpeza acima dos 8 km de altitude, a região conhecida como "zona morta" por causa do ar rarefeito e do terreno traiçoeiro.

 

Sherpa e sua equipe de montanhistas experimentos levarão sacos e sacolas especiais para trazer de volta garrafas vazias de oxigênio, latas velhas, tendas rasgadas, cordas e utensílios abandonados. Ele já escalou o Everest sete vezes.

 

"O lixo ficava enterrado sob a neve no passado. Mas agora ele está aparecendo na superfície por causa do derretimento causado pelo aquecimento global", disse. "Os detritos estão causando problemas para os montanhistas... parte do lixo ainda é do tempo de Hillary". O neozelandês Edmund Hillary foi o primeiro homem a subir o Everest, chegando ao pico em 1953.

 

A montanha tornou-se conhecida como a mais alta lata de lixo do mundo. Muitos montanhistas deixam equipamentos e lixo para trás por causa da exaustão provocada pelo ar rarefeito.

 

Mais de 4.000 pessoas já subiram o Everest desde o tempo de Hillary. A equipe de Sherpa espera trazer de volta pelo menos 2 toneladas de lixo, além do corpo de um montanhista morto há dois anos.

"Vi três corpos caídos por lá há anos", disse ele.

Mais conteúdo sobre:
everest limpeza himalaia nepal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.