Valeria Gonçalvez/AE
Valeria Gonçalvez/AE

MMA divulga dados do desmatamento do Cerrado e da Amazônia

Ministra Isabella Teixeira diz que vai tirar Querência (MT) da lista das cidades que mais desmatam a Amazônia

Karina Ninni, estadão.com

06 de abril de 2011 | 16h44

SÃO PAULO - Foi divulgado nesta quarta-feira, 6, pela ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, o resultado do programa de Monitoramento dos Biomas Brasileiros para o Cerrado. Os dados mostram que a taxa anual de derrubada, que era de 14.179 mil Km² entre 2002 e 2008, caiu para 7.637 mil km² entre 2008 e 2009. Mas, em números absolutos, entre 2002 e 2009, as áreas desmatadas subiram de 43,6% para 48,2%. Da área total do Cerrado - que é de 2.039.386 km² - foram desmatados 85.047 km².  O desmatamento no Cerrado se concentra nos Estados de Maranhão, Tocantins e Bahia (oeste).

Veja também:

linkInpe: desmatamento atinge 19,2 km² de floresta na Amazônia no 1º bimestre

especialEspecial Cerrado

Apesar da taxa de desmatamento anual ter caído de 0,69% ao ano (entre 2002 e 2008) para 0,37% entre 2008 e 2009, as áreas remanescentes passaram de 55,7% do Bioma para  51,1% no entre 2002 e 2009.

Os estados que mais desmataram, segundo o MMA, foram Maranhão (com 2.338 km²), Tocantins (com 1.311 km²) e Bahia (com 1000 km²). O que menos desmatou foi Rondônia, que retirou menos de 1 km² de vegetação nativa.

Formosa do Rio Preto (BA) foi o campeão de desmatamento no bioma Cerrado entre 2008 e 2009: suprimiu 197,17% do bioma.

Na análise da série histórica, o MMA frisa que houve redução de 50% do desmatamento do Cerrado de agosto de 2010 a fevereiro de 2011 em relação ao mesmo período no ano passado (ago-2009 a fev-2010).

Na mesma coletiva, a ministra Isabella Teixeira divulgou dados referentes à Amazônia, apurados pelo Deter, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Eles revelam que também houve redução no ritmo do desmatamento no bioma Amazônia: de agosto de 2010 a fevereiro de 2011 houve queda de 7,1% em relação ao mesmo período do ano passado (agosto de 2009 a fevereiro de 2010).

Enquanto nos estados de Roraima, Pará e Mato Groso a comparação com o mesmo período do ano passado foi positiva - ou seja, houve redução no desmatamento - em Rondoônia, Tocantins, Amazonas, Acre e Maranhão as taxas para este ano foram superiores às registradas no ano passado.

"Vou assinar uma portaria retirando o município de Querência, no Mato Grosso, da lista dos 43 municípios que mais desmatam na Amazônia", disse a Ministra Isabella Teixeira, em referência às taxas de desmatamento no Mato Grosso, que embora tenha melhorado na análise da série histórica, ostentou o maior índice de desmate na Amazônia entre janeiro e fevereiro de 2011, com 14,39 km² de florestas derrubadas.

 

Com colaboração de Eugênia Lopes, de Brasília

Tudo o que sabemos sobre:
MMAdesmatamentoCerradoAmazônia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.