Ministros chegam a Bali para fase final de reunião sobre clima

Principal entrave para o Brasil foi resolvido na terça, antes da chegada de Marina Silva.

Eric Brücher Camara, BBC

12 de dezembro de 2007 | 04h15

Começa nesta quarta-feira o segmento ministerial, que é a última parte da reunião da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre mudança climática em Bali, na Indonésia, e do ponto de vista brasileiro, com um problema a menos para resolver: a questão do desmatamento. Embora a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, ainda vá ter que discutir uma proposta do governo de Papua Nova Guiné, que quer incluir uma referência a prontas ações e vincular isso a futuras decisões, na terça-feira, foi aprovado um texto preliminar que abre caminho para o desenvolvimento dos chamados mecanismos REDD.A idéia dos REDD - sigla para Redução das Emissões de Desmatamento e Degradação - é que os países ricos recompensem as nações em desenvolvimento pela diminuição na destruição de suas florestas. A forma dessa compensação, outra questão polêmica, deve ser discutida ao longo dos próximos anos. Há quem defenda a emissão de créditos de carbono para serem vendidos no mercado, mas o Brasil, por exemplo, defende a criação de um fundo voluntário com verbas provenientes dos países ricos que seria aplicado à discrição de cada país. A grande desavença entre o governo brasileiro e a maior parte dos outros países em desenvolvimento girava em torno da degradação, um termo técnico para a destruição parcial das matas. O problema é que os cientistas ainda não desenvolveram métodos precisos para calcular esse tipo de dano, o que dificulta a avaliação sobre se houve redução ou não.Outro ponto de atrito entre os participantes do grupo de trabalho era a inclusão de uma menção à conservação das florestas, que na opinião brasileira desvirtuava o princípio de tratar apenas da redução de desmatamento, não de desmatamento evitado ou conservação de florestas. O secretário-executivo da reunião de Bali, Yvo de Boer, aparentava satisfação ao anunciar o acordo na terça-feira. Segundo ele, ficou faltando apenas decidir o que fazer com a questão da conservação, que "deve ser discutida pelos ministros". Para os observadores da reunião, o assunto parece ter fluído melhor desde a segunda-feira, a partir de uma flexibilização da postura brasileira.Nesta quarta-feira, a fase ministerial do encontro em Bali foi aberta por discursos do presidente da Indonésia, Susilo Bambang Yudhoyono, e do secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-Moon. Do lado de fora, organizações ambientalistas fizeram manifestações por um avanço mais ágil das negociações, que, na opinião dos ambientalistas, andou "a passo de lesma" nos últimos dois dias.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.