Ministro indonésio acredita em consenso nas negociações de Bali

O ministro do Meio Ambienteda Indonésia, Rachmat Witoelar, disse acreditar que os EUA e aAustrália, que não assinaram o Protocolo de Kyoto, aceitarão umnovo acordo sobre o clima a ser elaborado em dezembro, nasnegociações da Organização das Nações Unidas (ONU) que devemocorrer em Bali. O encontro de Bali (Indonésia) pretende criar um mecanismopara limitar as emissões de gases do efeito estufa depois de2012, quando o Protocolo de Kyoto deixa de vigorar. A intençãoé brecar o aquecimento global e os efeitos dele, tais comoenchentes, secas, ondas de calor e a elevação do nível dosoceanos. Muitas pessoas vêem no encontro de ministros do MeioAmbiente uma última chance para lançar negociações sobre umnovo acordo mundial envolvendo cortes nas emissões. "Enxergo um raio de luz, uma esperança de que Baliconseguirá plantar as fundações (de um acordo global)", afirmouà Reuters o ministro indonésio, que disse ter conversadorecentemente com representantes dos EUA e da Austrália, paísesresponsáveis, segundo Witoelar, por 40 por cento das emissõesmundiais. O Protocolo de Kyoto obriga 36 países ricos a diminuíremsuas emissões de gases do efeito estufa até 2012. Um novoacordo global deve tentar submeter a limites compulsóriospaíses hoje isentos deles, entre os quais os EUA e nações emdesenvolvimento como a China, a Índia e o Brasil. A ONU deseja ver um acordo concluído até o final de 2009,deixando um prazo de três anos para a ratificação dele antes deexpirar o Protocolo de Kyoto. Durante a conferência de Bali, os representantes de 189países, devem receber detalhes sobre um novo esquema (conhecidopela sigla RED) para computar como corte na emissão de gases doefeito estufa áreas de floresta preservadas. No começo desta semana, Witoelar disse que a Indonésiadeseja receber entre 5 e 20 dólares por hectare de floresta quenão derrubar. Com essa declaração, ofereceu pela primeira vezuma cifra para os valores que seriam pagos pelos maiorespoluidores do mundo em troca da preservação de áreas verdes. O ministro afirmou ainda que o país asiático pressionarápara que a preservação de florestas possa ser negociada nomercado de cotas de carbono. E que a Indonésia defenderá, emBali, a criação de um fundo especial para proteger as cada vezmais ameaçadas florestas tropicais. (Reportagem adicional de Adhityani Arga)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.