REUTERS/Adriano Machado
REUTERS/Adriano Machado

Ministro do Meio Ambiente diz que apresentará em breve estratégia de preservação da Amazônia

Ao ser perguntado sobre a suspensão do apoio financeiro da Alemanha ao projeto de conservação da Amazônia, o presidente Jair Bolsonaro disse que "o Brasil não precisa disso"

André Borges e Amanda Pupo, BRASÍLIA

11 de agosto de 2019 | 15h47

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse ao Broadcast/Estadão que a pasta irá apresentar "em breve" uma estratégia para tratar da preservação da Amazônia. Ele afirmou que a medida irá contemplar "formalizações, regularizações, regulação e ações de fiscalização, além de um modelo de pagamento por serviços ambientais". Segundo Salles, se a Alemanha desejar, poderá "ajudar".

Alemanha decidiu suspender o apoio financeiro dado a projetos de conservação florestal e biodiversidade na Amazônia, disse a ministra do meio ambiente alemã, Svenja Schulze, em entrevista concedida ao jornal Tagesspiegel. 

Mais cedo, ao ser perguntado sobre a suspensão, o presidente Jair Bolsonaro afirmou neste domingo, 11, que a Alemanhavai deixar de comprar à prestação a Amazônia. “Pode fazer bom uso dessa grana, no Brasil não precisa disso”, afirmou.

Em julho, o Estado mostrou que o governo da Alemanha havia decidido reter uma nova doação de 35 milhões de euros, o equivalente a mais de R$ 151 milhões para o fundo Amazônia. O país já repassou R$ 193 milhões para o programa. Salles sustenta que este valor retido é o mesmo anunciado pela ministra alemã. A entrevista para o jornal Tagesspiegel foi publicada neste sábado, 10.

Segundo a Deutsche Welle, a suspensão de projetos atinge somente o financiamento do Ministério do Meio Ambiente em Berlim. Os investimentos no Fundo Amazônia, por outro lado, seria viabilizados pelo Ministério alemão da Cooperação Econômica.

Reportagem do Estado neste domingo mostrou que, após a decisão do governo federal de paralisar as ações do Fundo Amazônia, sob a justificativa de que teria encontrado supostas irregularidades na condução do programa pelo BNDES, os maiores Estados da Região Norte passaram a buscar parcerias diretas com doadores internacionais para financiar ações de combate ao desmatamento. Há consenso de que a devastação avança e que faltam recursos para fiscalizar e proteger a floresta.   

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.