Ministra confirma aumento de quase 10% no desmatamento

Pouco antes, Lula - em evento com Marina- havia assinado decreto para combater a prática na região amazônica

Leonencio Nossa, de O Estado de S.Paulo

21 de dezembro de 2007 | 16h37

A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, confirmou nesta sexta-feira, 21, em entrevista, que, pelas estimativas do governo, houve aumento de 10% no desmatamento da Amazônia entre agosto e novembro deste ano em relação a 2006. Há duas semanas, também o secretário-executivo do Ministério do Meio Ambiente, João Carlos Capobianco, admitiu que houve aumento do desmatamento.   Veja também:    Em evento, Lula veste paletó presenteado por Evo Morales   Pouco antes da entrevista da ministra, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou, no Planalto, um decreto para combater o desmatamento ilegal na região amazônica. O decreto prevê a elaboração de uma lista negativa dos municípios com os maiores índices de derrubada da floresta, o embargo de propriedades nas quais se registrarem crimes contra o meio ambiente e a aplicação de multas para quem adquirir, intermediar, transportar ou comercializar produtos das fazendas embargadas.   Em entrevista no Palácio do Planalto, Marina Silva afirmou que o aumento do desmatamento "não pode ser tratado como um presente para o presidente da República ou para a sociedade brasileira." E acrescentou: "Deve ser entendido como um castigo."   Mas não explicou as razões que existiriam, no seu ponto de vista, para a sociedade ser castigada.   Nesta sexta, após a entrevista da ministra, o diretor-geral do Serviço Florestal Brasileiro, Tarso Rezende de Azevedo, que também estava no Palácio do Planalto, explicou que a causa do aumento do desmatamento pode ter sido o avanço da cultura de soja, de cana-de-açúcar e da agropecuária sobre as áreas de floresta.   A ministra do Meio Ambiente destacou os "esforços" do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do governo para reduzir o desmatamento. Marina Silva não informou o total da área real desmatada de agosto a novembro deste ano. Ela fez a ressalva de que, por se tratar de uma estimativa dos técnicos do governo, os 10% de aumento podem não ser confirmados. A ministra disse que, de agosto a novembro de 2006, a grande quantidade de nuvens pode ter dificultado a análise dos satélites que registram os desmatamentos. "É possível que o que está sendo enxergado (agora) a mais pelo satélite não era enxergado antes", afirmou.   Em relação ao decreto assinado pelo presidente, Marina Silva informou que ainda é necessária a regulamentação das multas. Ela disse também que seu ministério ainda não fechou a lista dos municípios que mais desmatam a floresta amazônica.

Tudo o que sabemos sobre:
DesmatamentoMarina Silvameio ambiente

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.