Minc aumenta oferta de corte de CO2 do Brasil em 20%

Redução levaria as emissões, em 2020, ao nível de 1994, e não mais ao de 2005, como na proposta anterior

Reuters,

27 Outubro 2009 | 17h48

O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, disse que o governo estuda cortes de emissões de CO2 ainda mais profundos que os anunciados anteriormente, e que apoiará um plano de preservação florestal defendido pelas Nações Unidas.

 

Tratado com metas de CO2 não deve sair em Copenhague

Para ala do governo, País deve descartar meta para CO2

Minc reafirma que Brasil terá meta de corte de 40% no CO2

 

O Brasil estuda uma redução de 40% nas emissões projetadas para 2020, que cairiam de 2,7 bilhões de toneladas de CO2 para 1,7 bilhão, mesma emissão registrada em 1994 e abaixo dos 2,1 bilhões emitidos em 2005. Minc havia dito, antes, que a meta seria congelar as emissões na taxa de 2005. Com a volta ao nível de 94, o corte será de 20% sobre a meta anterior.

 

"Nossa proposta evoluiu, estamos contemplando uma redução de 40% sobre os níveis de 2020", disse ele em entrevista coletiva.

 

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve tomar uma decisão final em 3 de novembro quanto à proposta que o Brasil levará à reunião de Copenhague sobre mudança climática.

 

O governo já havia decidido dar apoio condicional à proposta de redução das emissões de desflorestamento e degradação, o chamado Redd, disse Minc.

 

Sob o Redd, países ricos recompensariam nações em desenvolvimento por preservar florestas e, assim, evitar as emissões de CO2, por meio de uma versão expandida do atual mercado de carbono.  O esquema poderá ser adotado como parte do acordo de Copenhague.

 

Cerca de 17% das emissões globais de gases causadores do efeito estufa podem ser causadas pela destruição de florestas.

 

Sob a proposta de Minc, cerca de metade do corte de 4)5 nas emissões brasileiras viria do combate ao desflorestamento. O Brasil tem a meta de reduzir a devastação em 80% até 2020, com base na média anual de 19.500 quilômetros quadrados entre 1996 e 2005.

 

Os 50% restantes viriam de aperfeiçoamento de técnicas agrícolas, aumento no uso de biocombustíveis e no plantio de florestas para a produção de carvão para indústria siderúrgica.

Mais conteúdo sobre:
minc efeito estufa co2

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.