México propõe contribuição compulsória contra efeito estufa

Recursos viriam de contribuições obrigatórias para industrializados e opcionais para nações em desenvolvimento

Efe

08 Outubro 2009 | 19h21

Os representantes do México na reunião sobre mudança climática que acontece em Bangcoc voltaram a defender nesta quinta-feira, 8, a criação de um fundo internacional para o combate ao aquecimento global.

 

Veja também:

linkNão se pode separar economia e ecologia, diz Jeffrey Sachs

linkAquecimento pode reduzir PIB de países em até 20%, diz estudo

link Derretimento no Ártico pode afetar 25% da população mundial

link Mundo deve estar pronto para crise climática, diz Reino Unido

link Mudança no clima custará US$ 400 bi anuais, diz estudo

especialExpansão econômica vs. sustentabilidade

 

De acordo com a delegação mexicana, os recursos da iniciativa seriam captados a partir de contribuições obrigatórias para os países industrializados e opcionais para as nações em desenvolvimento.

 

"Embora o peso financeiro deva cair principalmente sobre os países desenvolvidos, os outros países, sobretudo os grandes, como China, Brasil, México, Índia e África do Sul, também deveriam contribuir para o esforço contra a mudança climática", disse à Agência Efe o representante especial do México para a Mudança Climática, Luis Alfonso de Alba.

 

Na conferência de Bali de 2007, os países ricos se comprometeram a ajudar economicamente as nações emergentes a combater as queimadas e a reduzir sua dependência em relação aos combustíveis fósseis, responsáveis pela maior parte das emissões de gases causadores do efeito estufa.

 

Os países em desenvolvimento presentes na reunião de Bangcoc, que termina amanhã, exigem que as nações ricas quantifiquem a ajuda prometida. Estas, por sua vez, querem saber primeiro que tipo de programas vão financiar.

 

"Devemos ter uma proposta financeira clara dos Estados Unidos e da Europa. A partir daí, todos poderão concretizar suas propostas", esclareceu Alba.

 

O representante mexicano frisou que "México quer ir além e propor que os grandes países em desenvolvimento também contribuam, de maneira voluntária e de acordo com suas emissões de gás e sua capacidade financeira".

 

A Índia já disse que não contribuirá para esse fundo, mas a delegação mexicana acredita que o país mudará de ideia se os países industrializados demonstrarem um maior compromisso.

 

"Segundo nossos cálculos, os países desenvolvidos forneceriam 2/3 dos recursos do fundo global, e as nações em desenvolvimento, o resto", destacou Alba.

 

O mexicano afirmou ainda que "os US$ 10 bilhões ou US$ 20 bilhões ao ano sugeridos por EUA e Europa são claramente insuficientes, considerando que o Banco Mundial diz que os países industrializados deveriam gastar US$ 150 bilhões ao ano" no combate à mudança climática.

Mais conteúdo sobre:
aquecimento global

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.