Metas anunciadas não são suficientes, diz IPCC

Pesquisadores alertam que projeções não levam em conta liberação de metano no degelo do Ártico

Charles J. Hanley , correspondente da Associated Press

12 Dezembro 2009 | 19h04

Os cortes nas emissões de gases de efeito estufa oferecidos pelos países durante a Conferência do Clima, em Copenhague, "claramente não são suficientes para garantir'' que o mundo vai escapar dos efeitos do aquecimento global, afirmou, neste sábado, um importante cientista filiado a ONU. Pesquisadores disseram que as projeções não levam em conta a "ameaça potencialmente importante" da liberação do metano a partir do degelo no Ártico. 

 

Veja também: 

Acordo climático será feito a portas fechadas

blog Blog da COP: o dia a dia na cúpula

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialO mundo mais quente: mudanças geográficas devido ao aquecimento

especialEntenda as negociações do novo acordo   

especialRumo à economia de baixo carbono 

 

Na conferência, as nações desenvolvidas estão oferecendo reduções nas emissões de dióxido de carbono e outros gases de efeito estufa que vão de 3% a 4% para os Estados Unidos a 20% para a União Europeia, até 2020 em comparação com níveis de 1990. Enquanto análises independentes dizem que os cortes devem ser de  8% a 12%, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC),

patrocinado pelas Nações Unidas, recomenda uma redução média de 25% a 40%, para manter o aumento da temperatura global abaixo de 2ºC e evitar os piores efeitos do aquecimento global. 

 

"Eu acho que não é claramente suficiente", disse Thomas Stocker, co-presidente do IPCC, sobre os números anunciados até agora. "Nós estamos longe de afirmar que o limite de 2ºC será cumprido." O físico suíço coordena o Grupo de Trabalho 1 do IPCC, que, entre outras coisas, avalia o impacto que as emissões - da queima de combustíveis fósseis, desmatamento e outras fontes - têm sobre as concentrações de gases do aquecimento global na atmosfera e, em seguida, sobre as temperaturas. 

 

Stocker disse a jornalistas que as metas recomendadas pelo IPCC "podem ser  'pedir demais' nesta fase". Mas ele sugeriu que as negociações climáticas devem ter objetivos mais a longo prazo, de décadas, e não períodos de compromisso de curto prazo, com os previstos nas conferências anuais. 

 

Mesmo limitando o aumento da temperatura a 2 graus Celsius, isso não evitaria danos graves, de acordo com o presidente do IPCC, Rajendra Pachauri. "Nós ainda teríamos a elevação do nível do mar, apenas por meio de expansões térmicas, de 0,4 a 1,4 metros", disse.

 

Stocker reconhece que as projeções do IPCC não incluem um ponto de inflexão em potencial para o metano aprisionado abaixo da camada de gelo do Ártico, um poderoso gás de efeito estufa que seria lançado na atmosfera com o derretimento do gelo permanente. A matéria vegetal e animal sepultada há milênios embaixo do solo entraria em decomposição assim que o gelo descongelasse, produzindo dióxido de carbono e metano, muitas vezes mais poderoso que o CO2 no aquecimento da atmosfera.

 

O metano também poderia ser lançado na atmosfera com o aquecimento dos depósitos de hidratos de metano nos oceanos, formações subterrâneas profundas nas quais moléculas de metano se encontram presas em cristais de água congelada. "[A questão do metano] É potencialmente muito importante",diz Richard Betts, do Met Office Hadley Center, centro britânico de estudos sobre mudanças climáticas. "O tamanho das reservas não é conhecido por completo e não são capturados plenamente em nossos modelos [simulações computadorizadas usadas para projetar as mudanças climáticas]."

 

Em particular, os pesquisadores russos na Sibéria têm se mostrado alarmados com o potencial do metano, alertando para um possível aumento nas emissões no hemisfério norte, onde a Terra está aquecendo mais, o que aumentaria em vários graus a temperatura global provocando consequências imprevisíveis para o clima. Porém, outros cientistas dizem que o metano aprisionado pode demorar séculos para ser libertado. 

 

"Nós realmente não sabemos o suficiente sobre o metano", afirma o climatologista do Hadley Center, Vicki Pope. De acordo com a instituição britânica, as pesquisas intensivas sobre o metano aprisionado no Ártico pode permitir que o assunto seja incluído nas previsões do Hadley Center no prazo de cinco anos. No ano passado, seis laboratórios dos Estados Unidos lançaram uma pesquisa conjunta sobre a rápida liberação de metano e, em julho, o presidente do IPCC, Rajendra Pachauri, pediu à rede científica que se concentrasse nas "mudanças climáticas bruscas e irreversíveis" do derretimento do gelo permanente. A próxima avaliação periódica do relatório do IPCC está prevista para 2013. "Estamos caminhando em direção a um precipício, no escuro", diz Richard Betts, sobre as incógnitas do clima. "O precipício está lá fora, em algum lugar, você não sabe onde ele está, e, por isso, faz mais sentido parar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.