Wilton Junior/AE - 25/11/2009
Wilton Junior/AE - 25/11/2009

Meta de emissão de CO2 está abaixo do papel dos EUA, diz Lula

Presidente afirma que proposta americana 'está muito abaixo da responsabilidade histórica do país com o mundo'

Efe,

26 Novembro 2009 | 16h44

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quinta-feira, 26, que a promessa dos Estados Unidos de reduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa está muito abaixo da responsabilidade histórica do país e de seu papel no mundo, mas ressaltou que respeita a proposta.

 

Veja também:

linkGreenpeace pede a Obama, Lula e Sarkozy acordo sobre clima

linkChina irá a Copenhague e levará meta de redução de emissões

linkEmissão do Brasil cresceu 62% entre 1990 e 2005

linkEUA vão propor corte de 17% em suas emissões

especial Entenda as negociações do novo acordo 

 

O Governo americano anunciou nesta quarta-feira que levará à Conferência da ONU sobre a Mudança Climática, em Copenhague, o compromisso de reduzir suas emissões de gases poluentes em 17% até 2020 em relação aos níveis de 2005 e que o presidente dos EUA, Barack Obama, comparecerá à cúpula.

 

"Acho que a proposta do presidente Obama talvez seja o máximo que ele pode fazer em função das circunstâncias políticas internas, mas está muito abaixo daquilo que é a responsabilidade histórica e o papel dos EUA neste mundo globalizado, assim como está muito abaixo a proposta dos países desenvolvidos da Europa", disse Lula em entrevista à Agência Efe.

 

Lula está em Manaus para definir com representantes dos outros países da Amazônia e a França uma proposta conjunta para levar à capital dinamarquesa. Defensor de que a reunião possibilite passos concretos para controlar a mudança climática, o presidente pediu a Obama e a outros líderes, como o chefe de Estado da China, Hu Jintao, para que estejam na conferência da ONU.

 

A reunião de Copenhague está marcada para entre os dias 7 e 18 de dezembro. A Casa Branca disse ontem que Obama vai no dia 9, data na qual a reunião ainda estará nas conversas de negociadores e não entre chefes de Estado ou de Governo, prevista para os dois dias finais.

 

Ao comentar a participação do presidente dos EUA apenas no dia 9, Lula apontou que "seria importante que Obama estivesse lá, que Hu Jintao estivesse lá, que todos (os líderes) estivessem lá porque é o momento de ter uma discussão séria sobre os efeitos do aquecimento global".

 

"Se estamos todos juntos em torno de uma mesa, tanto os americanos podem exigir de nós, como nós podemos exigir deles, mas se eles tomarem uma decisão unilateral, eu sou obrigado a respeitar a soberania desse país, mesmo que possa não estar de acordo", disse o presidente.

 

Lula lembrou que o Brasil levará para Copenhague um "compromisso voluntário" de reduzir suas emissões dos chamados gases estufa entre 36,1% e 38,9% até 2020, objetivo que seria alcançado principalmente mediante a redução do desmatamento da Amazônia e das queimadas, a maior fonte de emissão de gases poluentes no Brasil.

 

Segundo o presidente, o Brasil assumiu esse e outros compromissos com o meio ambiente apesar de não ser o país que mais polui. "Fica claro que a responsabilidade é de todos, mas uns têm mais responsabilidades do que outros", disse.

Mais conteúdo sobre:
Lula Copenhague EUA redução de emissoes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.