Mesmo com inverno rigoroso, região Ártica ainda corre risco

Cientistas dizem que, embora novas áreas congeladas tenham surgido, "gelo duradouro" continua desaparecendo

Da Redação,

25 de março de 2008 | 10h01

Baseando-se pelas últimas observações via satélite, pesquisadores e funcionários da Nasa disseram que a região Ártica ainda está sobre "gelo fino" quando o assunto é o a calota polar. O inverno deste ano, que foi mais frio que o normal, ajudou a expandir a extensão de mar congelado, porém, a área antiga - que está congelada há anos - continua desaparecendo.  Cientistas declararam na terça-feira, 18, que o surgimento dessa nova porção de mar congelado está ligado as recentes condições climáticas, enquanto que o desaparecimento do "gelo duradouro" - mais antigo - é conseqüência do aquecimento global. O "gelo duradouro" é aquele que existe há tempos e sobrevive até ao verão que faz com que o "gelo periódico" derreta. É justamente esse "gelo duradouro" que está desaparecendo rapidamente e que tem preocupado cientistas do mundo inteiro. Segundo informações da Nasa, as áreas cobertas pelo "gelo duradouro' equivaliam de 50 a 60% do território Ártico, este ano ele cobre apenas 30%.  Para melhor entender o impacto da mudança climática nas calotas polares, a Nasa pretende lançar - em 2015 - um novo satélite, o ICESat II, para acompanhar de perto o comportamento do gelo Ártico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.