FETHI BELAID / AFP
FETHI BELAID / AFP

Merkel quer 'conversa clara' com Bolsonaro sobre desmatamento no Brasil

Chanceler alemã diz que quer ter a discussão com o presidente brasileiro durante a cúpula do G-20 no Japão

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de junho de 2019 | 17h17
Atualizado 27 de junho de 2019 | 15h42

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse nesta que quer ter uma “conversa clara” com o presidente Jair Bolsonaro sobre o desmatamento no Brasil. Ela afirmou que, se tiver a oportunidade, vai tentar ter essa discussão durante o encontro da cúpula do G-20 que começa amanhã, em Osaka, no Japão.

“Assim como vocês, vejo com grande preocupação a questão das ações do presidente brasileiro (em relação ao desmatamento) e, se ela se apresentar, aproveitarei a oportunidade no G-20 para ter uma discussão clara com ele”, afirmou ela a seus deputados. 

A alta nos níveis do desmatamento e a expansão das atividades agrícolas no Brasil fez com que 340 ONGs europeias e sul-americanas, incluindo Greenpeace e Amigos da Terra, questionassem o acordo de livre comércio entre a União Europeia e o Mercosul 

As ONGs pedem “medidas rigorosas” contra o desmatamento e “compromissos” em favor do Acordo de Paris sobre o Clima - um acordo firmado por 195 países, em 2015, para conter o aumento da temperatura média do planeta a menos de 2°C até o ano de 2100. 

Na terça, relatório do Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) citou o Brasil como um exemplo de nação que está tomando medidas na direção contrária à necessária para enfrentar as mudanças climáticas. Uma das principais críticas foi à ideia de Bolsonaro de liberar a mineração em partes da Amazônia, floresta com a maior biodiversidade do planeta. 

Merkel, no entanto, afirma discordar da medida solicitada pelas ONGs e sinalizou ser favorável à conclusão do acordo. “Acredito que a não conclusão do acordo com o Mercosul não contribuiria de forma alguma para o fato de que um hectare a menos seja desmatado no Brasil, pelo contrário”, ressaltou Merkel, afirmando que “esta não é a resposta para o que está acontecendo no Brasil”.

O acordo também é duramente criticado por agricultores europeus. Eles temem invasão de produtos sul-americanos, com a abolição de algumas tarifas aduaneiras.

Ainda em 2018, o Brasil anunciou ter desistido de ser sede da Conferência do Clima da ONU neste ano. A justificativa oficial foi a falta de verba para receber o evento, mas Bolsonaro sempre foi crítico de discussões sobre o aquecimento global. 

O chanceler de Bolsonaro, Ernesto Araújo, já afirmou acreditar que a mudança climática é um “dogma científico”. Na campanha eleitoral, Bolsonaro chegou a dizer que poderia retirar o Brasil do Acordo de Paris por uma questão de “soberania”, mas depois indicou que permaneceria no pacto climático. 

Governo

Procurados pelo Estado nesta quarta, o Palácio do Planalto e os Ministérios do Meio Ambiente e das Relações Exteriores não se manifestaram sobre as declarações de Merkel. /COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.