Thomas Peter/Reuters - 17/12/2009
Thomas Peter/Reuters - 17/12/2009

Merkel faz pedido dramático por acordo em Copenhague

Chanceler alemã pediu que todos se esforcem em prol de um tratado obrigatório de corte de emissões

Efe,

17 Dezembro 2009 | 09h18

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, fez nesta quinta-feira, 17, um dramático apelo aos participantes da cúpula da ONU sobre a mudança climática (COP-15), que acontece em Copenhague, ao pedir que todos se esforcem em prol de um acordo vinculativo que limite a 2° C o aumento da temperatura no planeta.

 

Veja também:

linkDinamarca descarta lançar proposta de acordo nesta 5ª 

linkObama procura Lula para buscar acordo 

blog Blog da COP: o dia a dia na cúpula

especial COP-15, acompanhe os principais fatos

especial Glossário sobre o aquecimento global

especial O mundo mais quente: mudanças geográficas devido ao aquecimento

especial Entenda as negociações do novo acordo  

 

"Todos os especialistas estão nos advertindo das consequências dramáticas de um aquecimento acima deste nível. Copenhague será um fracasso se não chegarmos a um acordo vinculativo para evitar isso", disse Merkel no Parlamento alemão.

 

"Se não tomarmos medidas oportunas hoje, nos arriscaremos a sofrer danos dramáticos, que serão de consequências especialmente dramáticas para os países mais pobres, mas dos quais ninguém vai se livrar", destacou a chanceler.

 

"Farei o que estiver ao meu alcance para conseguir o necessário compromisso vinculativo. Não sei exatamente em que momento (as negociações) estão agora, mas as notícias que nos chegam de Copenhague não são boas" e indicam "que não estamos diante de um processo de negociação sensato", acrescentou Merkel.

 

A chanceler lembrou o "ambicioso compromisso" da Alemanha na luta contra a mudança climática e pela redução das emissões de CO2, e enfatizou que seu país "está disposto a cumprir a meta" de diminuir em 40% a liberação de gases estufa até 2020, sempre em relação aos níveis de 1990.

 

No entanto, "o compromisso de um só país ou de um grupo de países, como a União Europeia (UE), não é suficiente", já que é preciso somar os "esforços vinculativos" de todos os envolvidos, tanto as grandes potências industrializadas como as nações em desenvolvimento.

 

Merkel, que várias vezes pediu à China e aos Estados Unidos um maior compromisso, fez este apelo poucas horas depois da chegada a Copenhague dos primeiros líderes mundiais que acompanharão o encerramento da cúpula.

 

Entre os que confirmaram presença nesta etapa da conferência estão o chefe de Estado americano, Barack Obama, o primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.