Merkel defende acordo em Copenhague e tratado em 2010

Chanceler alemã pede que países da UE elaborem propostas 'ambiciosas' de redução nas emissões de CO2

Efe,

19 Novembro 2009 | 11h24

A chanceler alemã, Angela Merkel, pediu à comunidade internacional para que chegue a um "acordo político vinculativo" na Conferência da ONU sobre Mudança Climática e, com isso, redigir no primeiro semestre de 2010 um tratado definitivo para a redução nas emissões de gás carbônico (CO2).

 

Veja também:

linkBolívia pede que países ricos paguem a 'dívida climática'  

linkONU sugere controle de natalidade para combater aquecimento

linkEstados Unidos e China agora falam em metas para o clima 

 

Após uma reunião de sua nova coalizão de centro-direita realizada nos arredores de Berlim, a chefe de Governo afirmou que a reunião de Copenhague, que acontecerá entre 7 e 18 de dezembro, será um "sucesso" apenas se esse acordo for alcançado. "E para conseguir isso, ainda é necessário trabalhar um pouco", manifestou Merkel.

 

A chanceler estará nesta sexta-feira, 20, em Bruxelas para uma cúpula da União Europeia (UE) na qual espera se reunir com o presidente francês, Nicolas Sarkozy, o primeiro-ministro dinamarquês, Lars Lokke Rasmussen, e a Presidência rotativa sueca para insistir na necessidade de que os países do bloco cheguem a Copenhague com propostas "ambiciosas".

 

O objetivo da conferência da ONU na capital da Dinamarca é possibilitar a criação de um acordo de redução de emissões de CO2 que substitua o Protocolo de Kioto, válido até 2012.

 

A recente tensão das negociações entre diferentes países levaram a ONU e especialistas a admitir que será difícil conseguir um tratado vinculativo já em dezembro. Por isso, o que se espera agora é obter um acordo vinculativo que possa se desenvolver posteriormente em um tratado.

 

Segundo o Painel Intergovernamental sobre a Mudança Climática (IPCC, na sigla em inglês), os países industrializados devem reduzir suas emissões entre 25% e 40% em 2020 em relação aos níveis de 1990.

Mais conteúdo sobre:
Angela MerkelCopenhagueclima

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.