Mercado de carbono pode crescer 33% este ano

Comércio regional americano deve ser responsável por 12% do mercado global em 2010, segundo pesquisa

The New York Times e Associated Press

29 Janeiro 2010 | 20h04

O comércio global de permissão para emitir gases de efeito estufa deverá crescer em 33% em 2010, de acordo com uma empresa de pesquisa. O mercado global de carbono deverá chegar a um total de 170 bilhões de dólares este ano, um salto de 33% com relação a 2009, impulsionado, principalmente, pelos preços mais elevados na Europa e um crescimento no mercado emergente de carbono nos Estados Unidos, segundo um novo relatório da Point Carbon, empresa de análise de mercado.

 

A empresa observou que muita incerteza ainda reinava no ano passado, tanto por causa das perspectivas de um mecanismo de comércio de carbono americano, bem como de um mecanismo internacional, especialmente após o fracasso da cúpula do clima de Copenhague em atingir metas obrigatórias de redução de carbono.

 

O mercado global de carbono atingiu US$ 136 bilhões em 2009, acima dos 133 bilhões de 2008, e mais do dobro do que era em 2007, quando o mercado totalizou US$ 58 bilhões.

 

Como resultado das incertezas sobre a política de carbono, os volumes totais de carbono negociados este ano devem aumentar apenas 5% em comparação com o passado, para um total de 8,4 bilhões de toneladas - ou gigatoneladas - em equivalência de dióxido de carbono, de acordo as previsões anuais da empresa.

 

Ainda assim, o maior crescimento no comércio de carbono este ano é esperado do programa americano Regional Greenhouse Gas Initiative, um sistema de comércio de carbono cap-and-trade para o setor de energia que cobre dez regiões do nordeste e da costa atlântica dos Estados Unidos. Esses estados, que incluem Nova York, Maryland e Virginia, visam reduzir as suas emissões de dióxido de carbono do setor de energia em 10% até 2018.

 

A empresa Point Carbon espera que o mercado regional americano chegue a 985 milhões de toneladas de dióxido de carbono este ano, com um valor esperado de US$ 2,2 bilhões, um salto de 29% com relação a 2009. Este novo mercado será responsável por 12% do mercado de carbono global em 2010.

 

O sistema europeu Emissions Trading Scheme, o principal mercado de carbono do mundo, deve ter variação insípida este ano, em comparação com o ano passado. Point Carbon estima um crescimento do valor desse mercado para US$ 134 bilhões em 2010, comparado aos US$ 100 bilhões em 2009, com 5,4 bilhões de toneladas de créditos de carbono.

 

A pesquisa antecipa um preço mais elevado para os subsídios da European Union Allowances, que espera chegar a € 18 por tonelada, comparado com o preço atual de € 12,96 por tonelada.

 

(Com informações de Jad Mouawad, do blog Green Inc., do The New York Times)

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.