Adema/Agência Sergipe de Notícias
Adema/Agência Sergipe de Notícias

Marinha vai notificar 30 navios de 10 países após triagem sobre manchas de óleo

Vazamento de óleo que sujou as praias nordestinas desde o início de setembro e já atingiram 139 locais em 63 municípios de nove Estados

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

10 de outubro de 2019 | 23h30

BRASÍLIA - A Marinha do Brasil afirmou nesta quinta-feira, 10, que "após uma triagem das informações do tráfego mercante na região de interesse", está notificando 30 navios-tanque de 10 diferentes bandeiras a prestarem esclarecimentos". A Marinha não informa quais são os dez países cujos navios trafegaram pelo litoral brasileiro, a partir do momento que houve o grave vazamento de óleo que sujou as praias nordestinas desde o início de setembro e já atingiram 139 locais em 63 municípios de nove Estados do Nordeste.

"A Marinha entrará em contato com as autoridades competentes dos países dessas bandeiras, com a Organização Marítima Internacional e com a Polícia Federal, visando elucidar todos os fatos", afirma a nota. Segundo a Marinha, a ação tem apoio do Ministério da Defesa, do Exército e de instituições dos Estados Unidos.

De acordo com a Marinha, que classificou o fato como um "grave acidente de poluição por óleo", a investigação mobiliza 1.583 militares de 48 organizações diferentes, além de cinco navios, uma aeronave e embarcações e viaturas pertencentes a autoridades ao longo do litoral nordestino, como capitanias dos portos, delegacias e agências.

A triagem inicial focou em quase 1.100 navios-tanque que circularam entre 1º de agosto e 1º de setembro numa área de 800 km de distância da costa brasileira, entre Sergipe e Rio Grande do Norte. As empresas donas desses navios e seus representantes no Brasil foram consultados para saber se registraram alguma anormalidade, de onde vieram, para onde foram e que tipo de carga estavam carregando.

Mais cedo nesta quinta, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, negou que o governo tenha demorado a reagir ao vazamento. "Não só a investigação foi iniciada no dia 2 de setembro, como também foi sendo mobilizado ao longo do tempo, todos os recursos disponíveis para, não só realizar a limpeza dessas áreas, mas também para tentar mitigar a propagação desse vazamento para outras regiões", afirmou.

A Venezuela foi um dos países identificados pela Petrobrás no derramamento de óleo no litoral nordestino, conforme antecipou o Estado. O país negou que tenha responsabilidade no caso. O presidente Jair Bolsonaro chegou a afirmar que nesta quinta-feira que tem quase certeza que o derramamento de óleo é criminoso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

  • Elefanta Ramba chega ao Brasil e segue para 'aposentadoria' em santuário de elefantes

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.