Reprodução
Reprodução

Mapa de biodiversidade amazônica é lançado na internet

Curiosos agora podem acessar ferramenta online para saber mais sobre espécies nativas vegetais e animais

estadao.com.br

27 Abril 2010 | 14h04

Interessados em flora e fauna brasileiras vão encontrar, a partir desta terça-feira, 27, mais de 100 espécies nativas da Amazônia no site Biomapas. Essa pesquisa sobre os ecossistemas nos arredores da Província Petrolífera de Urucu, a 650 quilômetros de Manaus – base de produção da Petrobras -, foi realizada pela Companhia, em parceria com alguns centros de pesquisa da região.

 

Depois de ter originado um livro (“Biodiversidade na Província Petrolífera de Urucu”) em 2008, o material foi ampliado pelo Projeto Biomapas e transformado agora em fonte de consulta na Internet. São encontradas curiosidades sobre espécies nativas vegetais como goiaba de anta, caroba, breu, Pará-pará, e animais, como piaba e estalador-do-norte.

 

A visualização e pesquisa de forma georreferenciada usa as ferramentas do Google Maps e do Google Earth). Vídeos e fotos sobre expedições realizadas nos últimos anos por biólogos, engenheiros florestais e de coletores locais, entre outros especialistas ambientais, estão disponíveis no YouTube, Flickr e Picasa.

 

No portal, basta deslizar o mouse em cima dos ícones no mapa, que representam fauna, flora e vídeos, e dar um clique simples em cima das opções da qual se quer ver detalhes. Também é possível compartilhar as descobertas por Twitter, Facebook e Orkut.

 

Urucu

Conciliar o desenvolvimento da produção de gás e óleo leve de Urucu com a biodiversidade amazônica é um grande desafio  para a Petrobras na região.

 

De acordo com a companhia, uma das ações mais importantes foi o rearranjo das instalações, com o objetivo de reduzir as áreas ocupadas pela unidade.

 

As áreas desocupadas foram reflorestadas, devolvendo à floresta o máximo de seu ambiente natural. No local, já funciona um viveiro com mais 170 mil mudas de 90 espécies nativas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.