DIDA SAMPAIO
DIDA SAMPAIO

Manifestantes protestam contra política ambiental de Bolsonaro em Brasília

Organizado por um grupo de ativistas em defesa da democracia e no combate à destruição dos biomas brasileiros, ato Stop Bolsonaro Mundial foi realizado em frente ao Congresso Nacional e ao Palácio do Planalto

Amanda Pupo e Dida Sampaio, O Estado de São Paulo

11 de outubro de 2020 | 14h50

BRASÍLIA - Um grupo de manifestantes protestou em Brasília neste domingo, 11, contra a gestão Jair Bolsonaro e as políticas ambiental e indigenista conduzidas pelo governo federal. O ato ocorreu primeiro diante do Congresso e, na sequência, na Praça dos Três Poderes, em frente ao Palácio do Planalto.

Destacando o "Pantanal em chamas", a manifestação contra o presidente foi convocada nas redes sociais pelo movimento 'Stop Bolsonaro Mundial', em sua terceira edição. Segundo o grupo, o evento é organizado por um grupo de ativistas, formado por coletivos de "brasileiras, brasileiros e de outras nacionalidades, residentes no Brasil e no exterior". Há atos presenciais e virtuais confirmados até agora em 59 cidades, em 19 países, afirma a organização.

Os protestos neste ano fazem um "apelo" em defesa dos biomas brasileiros, dos povos originários e quilombolas, e queixam-se sobre os números de desmatamento, as queimadas e o "desmonte de políticas e órgãos de defesa ambiental" no País, disse um dos manifestantes em Brasília, Roberto Ferdinand, da coordenação nacional e internacional das marchas Mundial do Clima e por Justiça Climática.

Atualmente no foco das críticas ao programa ambiental da gestão Bolsonaro, as queimadas no Pantanal vêm registrando números preocupantes em 2020. De acordo com dados do Programa Queimadas, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), entre 1º de janeiro e 30 de setembro, o total de pontos de fogo no Pantanal – 18.259 – já supera em 82% o total de queimadas observado ao longo de todo o ano passado no bioma (10.025). 

E é o maior valor observado para o período de um ano desde o início dos registros do Inpe, em 1998. O maior valor até então era o de 2005, com 12.536 focos para 12 meses. O Palácio do Planalto não comentou o assunto.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.