Adema
Adema

Mancha de óleo atinge 43 praias do Nordeste e chega a Sergipe

As manchas atingiram, desde setembro, ao menos 43 praias do Nordeste, em Alagoas, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e, agora, Sergipe

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

25 de setembro de 2019 | 21h18

SOROCABA - A mancha de óleo, que há um mês se espalha pelo oceano e vem atingindo as praias do Nordeste, chegou ao litoral de Sergipe na manhã desta quarta-feira, 25. A substância oleosa e escura manchou as areias da praia Ponta dos Mangues, em Pacatuba, região norte do Estado, a 68 quilômetros de Aracaju.

Se a mancha continuar avançando a risco de atingir a Barra dos Coqueiros, em Aracaju. O óleo ameaça também a reserva ecológica de Santa Isabel, em Pirambu, onde o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) desenvolve um projeto de preservação de tartarugas-marinhas.

Segundo o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), as manchas escuras atingiram desde o início de setembro pelo menos 43 praias do Nordeste, nos Estados de Alagoas, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte e, agora, Sergipe. A substância foi identificada como hidrocarboneto, derivado de petróleo, mas ainda não se sabe a origem da mancha.

Para Entender

Entenda o vazamento de petróleo nas praias do Nordeste

Óleo se espalha pelos 9 Estados da região. O poluente foi identificado em uma faixa de mais de 2 mil quilômetros da costa brasileira

Equipes do Ibama estão coletando e analisando o material para identificar eventuais responsáveis pelo descarte de óleo no oceano. A Marinha do Brasil também constatou manchas no mar e nas praias e enviou amostras para exames no Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira, no Rio de Janeiro. Os resultados ainda não saíram.

Nesta quinta-feira, a Petrobrás emitiu nota informando que não se trata de produto produzido pela empresa. “Analisamos amostras de óleo encontradas ao longo das últimas duas semanas em praias nos estados de Alagoas, Ceará, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte e verificamos que o material encontrado não é produzido e nem comercializado pela companhia”, afirma.

Segundo a nota, a empresa está colaborando na limpeza das praias que apresentaram manchas de óleo nos últimos dias. O trabalho é realizado pelas equipes do Centro de Defesa Ambiental da Petrobrás, sob coordenação do Ibama.

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Nas últimas semanas recebemos relatos de derrames de piche em algumas praias do Piauí, do Ceará, do Rio Grande do Norte e de Pernambuco. ㅤ Nos últimos dias temos sido contatados por diferentes ocorrências de encalhe de tartarugas marinhas com resquícios de contato com piche. A primeira ocorrência aconteceu em Sabiaguaba no início do mês de setembro. No último final de semana fomos alertados por moradores do Serviluz que também encontraram uma tartaruga nessa condição. Ainda foram somadas à esse casos em Flecheiras, Taíba e Jericoacora. ㅤ Ao todo já foram cinco encalhes, dos quais tivemos conhecimento, de tartarugas encontradas com piche em setembro no estado do Ceará. Tem sido desesperador encontrar esses animais nesse estado. O sentimento de impotência em relação a essas enormes manchas de piche no litoral é assustador e é preciso que alguma posição do poder público seja tomada. ㅤ Lembrem-se que em casos de ocorrências de tartarugas marinhas (vivas ou mortas) entrem em contato conosco através do número (85)98597-3007 (Projeto Gtar) e/ou através do nosso direct. É importante também que nenhuma ação seja tomada antes da chegada da nossa equipe.

Uma publicação compartilhada por Instituto Verdeluz (@institutoverdeluz) em

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.