Manaus testará barcos brasileiros movidos a energia solar

São 22 barcos que transportam até oito passageiros; frota começará a atuar a partir do segundo semestre

Liège Albuquerque, Agência Estado

12 Julho 2008 | 15h05

Hotéis que ficam próximos aos rios amazônicos começarão a testar, a partir do segundo semestre, os primeiros 22 barcos movidos a energia solar produzidos no Brasil. O catamarã (embarcação com dois cascos paralelos) é movido por placas solares instaladas no teto que desenvolvem força eletromotriz por meio da ação da luz. As placas dão energia ao motor, aos instrumentos de navegação por satélite e à bateria usada para navegação noturna ou sob tempo nublado e chuvoso. A bateria terá autonomia para 24 horas. "Para prevenção de qualquer pane no sistema de alimentação de luz solar, há um depósito com álcool para o motor sobressalente", diz o empresário Fernando Antônio Afonso Garcia, responsável pelo projeto. O barco, adaptado especialmente para a região amazônica, tem 6 metros de comprimento, 2,8 metros de largura e alcança até 25 quilômetros por hora.  Um protótipo foi lançado em março. Fabricado com cascos de alumínio, ele pesa 250 quilos e foi projetado para transportar quatro passageiros. Sob o convés, uma tela de aço inoxidável com buracos redondos deixam o passageiro em contato mais próximo com o rio. Os modelos que serão produzidos até o final do ano transportarão oito passageiros, suportando peso de até 500 quilos.  Os 22 barcos encomendados até agora são todos para hotéis de selva de Manaus e arredores. Em novembro, a versão mais moderna e comercializável do protótipo vai fazer uma viagem de mil quilômetros pelo Rio Amazonas, de Santa Isabel do Rio Negro (a cerca de 840 quilômetros de Manaus) até a Ilha de Parintins. "O recorde de um barco solar australiano é uma viagem de 120 quilômetros", afirma Garcia. Será uma semana de viagem, com paradas à noite para dormir em comunidades às margens do rio. O preço do barco ainda não foi divulgado. "Não será mais barato do que um similar a diesel, mas a economia é gritante. Sol é de graça, enquanto um litro de diesel hoje custa em média R$ 2,15. Para navegar oito horas, o que dura a bateria de um barco, o dono já economizaria cerca de R$ 500", diz Garcia. Quando lançou o protótipo, várias empresas fizeram a proposta para produzir o barco, segundo o empresário. Ganhou uma companhia amazonense. Os motores, porém, estão sendo fabricados por uma empresa paranaense. Já as placas solares, a alma do projeto, serão produzidas pela empresa do próprio Garcia, que fabrica estações para tratamento de esgoto.

Mais conteúdo sobre:
amazôniamanausenergia solar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.