Maldivas não vão a Copenhage para 'economizar dinheiro'

País é um dos mais ameaçados pelo aquecimento global e não participará de conferência sobre mudanças climáticas.

BBC Brasil, BBC

07 Setembro 2009 | 20h18

Um dos países mais ameaçados pelas mudanças climáticas, as Ilhas Maldivas, afirmou, nesta segunda-feira, que o governo não comparecerá à conferência internacional sobre o assunto em dezembro, na Dinamarca, para economizar dinheiro.

"Não vamos a Copenhage porque não temos dinheiro", disse o presidente Moahmmed Nassheed.

Na reunião da ONU sobre o tema, na Dinamarca, será discutido um novo tratado internacional para substituir o Protocolo de Kyoto, que estabelece limites às emissões de gases do efeito estufa e que expira em 2012.

Nassheed afirmou que a medida é uma forma de dar um bom exemplo de economia ao resto de seu governo.

Crise econômica

Quase 85% das Maldivas - arquipélago formado por ilhas de corais ao sul da Índia - se encontram menos de um metro acima do nível do mar.

Em 2007, o IPCC (Painel Intergovernamental da ONU sobre Mudanças Climáticas) havia dito que se ocorrer um aumento no nível dos mares de 18 cm a 59 cm, as Maldivas se tornariam inabitáveis.

Nasheed havia sugerido anteriormente que seu governo iria economizar dinheiro para comprar novas terras para a população.

O país, que depende do turismo, enfrenta graves problemas financeiros com a redução de visitantes por causa da crise econômica mundial.

O governo afirmou que pretende cortar 15 mil dos 39 mil funcionários públicos e aumentar a receita ao cobrar uma taxa extra de US$ 3 por dia aos turistas que visitam o arquipélago.

. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.