Maior consumo esbarra em questões culturais

Compra em brechó no Brasil ainda é bastante influenciada pelo preço

Andrea Vialli, O Estado de S. Paulo

04 de agosto de 2010 | 14h11

O interesse pelas roupas de segunda mão ou vintage (de época) cresce entre as pessoas mais atentas a questões como sustentabilidade e estilo, mas ainda esbarra em resistências. “Há quem se recuse a usar uma roupa que pertenceu a outra pessoa, por nojo ou por achar que aquela roupa está impregnada com a ‘energia’ do outro”, afirma a antropóloga Ligia Krás, que estuda o consumo de segunda mão. “São barreiras culturais, que não encontrei nos países europeus”, diz ela.

 

Segundo Franz Ambrósio, proprietário do brechó A Minha Avó Tinha, no bairro paulistano de Perdizes, a compra em brechó no Brasil ainda é bastante influenciada pelo preço. “As pessoas vêm em busca de roupas com estilo a preços acessíveis”, diz ele, um engenheiro de materiais que abriu o brechó há 20 anos.“Mas a gente começa a perceber preocupação com a questão ambiental. Muita gente vem comprar e traz sua própria sacola retornável”, diz.

 

Segundo Ligia, deve levar algum tempo para que o hábito de comprar em lojas de segunda mão por motivos ambientais se torne um comportamento de massa. “Mas, como em outros movimentos ligados à moda, os hábitos começam primeiro em nichos e depois vão se disseminando”, diz a antropóloga.

 

No Brasil, não existem dados consolidados sobre o tamanho do mercado de produtos de segunda mão. Nos EUA, as vendas vêm crescendo 35% a cada trimestre, em média, de acordo com a National Association of Resale and Thrift Stores (Narts), associação que reúne os lojistas de produtos usados.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.